Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

20/01/2022 - 09:37

Brasil terá 1º leilão de créditos de carbono do mundo para micromobilidade


O evento de ativos verdes será promovido pelo Rio de Janeiro, na Zona Portuária, pela AirCarbon Exchange, a partir de uma plataforma já existente. Volume de negociados e a expectativa de valores arrecadados ainda não estão definidos.

O primeiro leilão mundial de créditos de carbono voltados para a micromobilidade urbana será realizado no Brasil. Esse é o plano da Prefeitura do Rio de Janeiro, que pretende transformar o município em um hub de investimentos de sustentabilidade a partir de um conjunto de ações coordenadas para instalar, na revitalizada Zona Portuária, uma bolsa de valores de ativos verdes.

O leilão será voltado para uma iniciativa que já opera na cidade há anos, mas não gerou créditos até o momento: o TemBici, plataforma de uso de bicicletas compartilhadas, patrocinada, distribuídas por diversos pontos da cidade, que evitam o uso de veículos movidos a combustíveis fósseis.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação, Chicão Bulhões destaca que a iniciativa será realizada ainda no primeiro semestre de 2022, pela AirCarbon Exchange.

A AirCarbon Exchange — Recém-instalada na cidade, a empresa é subsidiária de uma das maiores bolsas de comercialização de créditos de carbono do mundo, sediada em Cingapura e com operações em Abu Dhabi.

—Nós anunciamos o nosso projeto de transformar o Rio em um hub de sustentabilidade e de investimentos verdes. A AirCarbon procurou uma pessoa no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e o órgão recomendou que me procurassem. Eles ficaram interessados, gostaram muito do nosso projeto e decidiram ficar aqui no Rio de Janeiro. Inicialmente, pensavam em ir para São Paulo. Vão operar aqui no mercado voluntário de negociação de créditos de carbono — afirma Bulhões.

O volume de créditos negociados e a expectativa de valores arrecadados ainda não estão definidos.

Diretor-presidente da companhia no Brasil, Carlos de Mathias Martins destaca que o leilão será também o primeiro que utilizará a metodologia de cálculo de créditos de carbono estipulada pela Organização das Nações Unidas.

—Nós temos um portfólio com projetos de mobilidade, energia renovável e preservação florestal, que apresentaremos nos próximos meses. Esse primeiro leilão, nós estamos nos organizando para promover na primeira quinzena de março, logo depois do carnaval —afirma Marins.

O mercado de créditos de carbono ainda não está regulado no Brasil, o que impede a instalação de uma bolsa de valores formal para a negociação de ativos voltados para a sustentabilidade, e torna o mercado menos lucrativo.

A regulamentação depende de ações do Ministério da Economia.

Bulhões já destacou que a intenção não é recuperar a antiga ‘Bolsa de Valores do Rio de Janeiro’, que foi a maior da América Latina até os anos 80 e fechou em 2002, ou concorrer com a B3, Bolsa de São Paulo.

— Além de créditos de carbono, a meta é negociar ativos de energia e inovação.

O projeto carioca contempla ainda a criação de um fórum climático periódico, para discutir avanços no setor e possibilitar o intercâmbio de experiências de todo o mundo, além de um centro de educação financeira.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2022 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira