Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

30/04/2021 - 07:38

Petrobras registra produção no pré-sal em 1,90 MMboed no 1T21


Alta de 69% da produção total contra 63% registrados no mesmo período em 2020. A produção média de óleo, LGN e gás natural no primeiro trimestre de 2021, foi de 2.765 Mboed, um aumento de 3,1% em relação ao quarto trimestre de 2020. No primeiro trimestre de 2021, a produção nos campos do pré-sal foi 7,0% superior ao trimestre anterior.  estatal registrou uma venda média de 610 mil barris por dia de diesel no primeiro trimestre de 2021 no mercado interno, aumento de 20% na comparação anual. 

No primeiro trimestre de 2021, manteve-se um sólido desempenho operacional, mesmo com o agravamento da pandemia da Covid-19 no Brasil. A produção média de óleo, LGN e gás natural no primeiro trimestre de 2021 foi de 2,77 MMboed, 3,1% acima do quarto trimestre de 2020 devido à continuidade do ramp-up da plataforma P-70, instalada no campo de Atapu, e a menores perdas com paradas para manutenção em plataformas do pré-sal. Quando comparamos com o primeiro trimestre de 2020, a produção teve uma redução de 5% devido, principalmente, aos desinvestimentos concluídos ao longo de 2020 e início de 2021 e ao declínio natural de produção, que teve uma média de 11% nos projetos que já atingiram o seu pico de produção e entraram na fase de declínio, de acordo com dados divulgados pela companhia, no dia 28 de abril (quarta-feira).

Segundo a Petrobras, devido ao agravamento da pandemia observado no primeiro trimestre de 2021, diminuímos novamente o efetivo das nossas plataformas e adotamos um regime diferenciado de embarque visando reduzir o fluxo diário de pessoas com a consequente mitigação do risco de contaminação e do impacto nas nossas operações. Apesar da continuidade do cenário de contingência, temos conseguido operar com segurança e eficiência e manter um bom desempenho.

Aumento na produção no 1T21 — A produção no pré-sal totalizou 1,90 MMboed no trimestre, representando 69% da produção total da Petrobras contra 63% registrados no primeiro trimestre de 2020. A produção nas plataformas do campo de Búzios aumentou 14%, devido, principalmente, à maior eficiência e à estabilização das unidades. — Registrados, também, aumento da produção no campo de Tupi, devido ao término do ramp-up da P-67, e nos campos de Berbigão, Sururu e Atapu, com a continuidade do ramp-up das plataformas P-68 e P-70— informou.

Destaca-se os seguintes pontos no primeiro trimestre de 2021:

• A chegada do FPSO Carioca ao estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis, ocorrida em fevereiro, para a última etapa de integração dos módulos da unidade antes dela ser encaminhada para a locação definitiva no Campo de Sépia, com início de produção previsto para o terceiro trimestre de 2021;

• A assinatura da carta de intenção para a construção do FPSO Almirante Tamandaré, sexta plataforma do Campo de Búzios, com capacidade de 225 Mbpd e início de produção previsto para 2024;

• A revisão do início de produção do FPSO Guanabara, primeiro sistema de produção definitivo a ser instalado no Campo de Mero, do quarto trimestre de 2021 para o primeiro trimestre de 2022. O FPSO está em construção na China e, em função das restrições impostas pela pandemia da Covid-19, houve atraso nas obras da unidade, com consequente ajuste no cronograma, sem impacto na meta de produção de 2021;

• As unidades P-68 e P-70 continuaram o ramp-up e apresentaram altos índices de eficiência operacional no trimestre, com previsão de alcançar a capacidade máxima de produção em 2021; e

• Os resultados recentes em dissecações de linhas flexíveis submarinas em Búzios e Tupi permitiram a extensão da vida de linhas de produção nestes campos, reduzindo riscos de perda de produção em 2021 pela corrosão sob tensão por CO2.

Dando continuidade à nossa gestão ativa de portfólio, assinamos, no primeiro trimestre de 2021, o contrato para a cessão da totalidade da nossa participação em 12 campos de terra e águas rasas, localizados nas Bacias do Recôncavo e do Espírito Santo.

Adicionalmente, finalizamos a venda de nossas participações em Frade (Bacia de Campos), campo no qual a Petrobras detinha 30% de participação e que produziu uma média de 5,9 Mboed em 2020.

A comercialização e a produção de derivados alcançaram bons resultados no primeiro trimestre de 2021, mesmo enfrentando o cenário de pandemia e os desafios impostos pelo segundo ciclo de alta do número de casos de contaminação pela Covid-19 no Brasil. As vendas no mercado interno alcançaram 1.667 Mbpd e o fator de utilização (FUT) atingiu 80%, um ponto percentual acima do primeiro trimestre de 2020,.

Em março de 2021, superamos o recorde de vendas de Diesel S-10, com baixo teor de enxofre, alcançando a marca de 416 Mbpd. Este valor supera em 2% o recorde anterior, de 407 Mbpd, registrado em outubro de 2020. Apesar de quatro paradas programadas obrigatórias de refinarias nas unidades Refap, RPBC, Regap e Reduc para manutenção ao longo do primeiro trimestre de 2021, nosso parque de refino manteve o fator de utilização no mesmo patamar dos meses anteriores, o que contribuiu decisivamente para esses resultados. No primeiro trimestre de 2021, alcançamos recordes de produção de diesel S-10 na Refap e Revap, de bunker na Replan e de óleo combustível de baixo teor de enxofre na Rnest e RPBC, reforçando nossa capacidade de resposta à demanda do mercado por derivados com maior valor agregado e nosso compromisso com a qualidade de nossos derivados para nossos clientes.

O recorde das vendas do diesel S-10 e o crescimento das vendas totais de diesel refletem as ações comerciais e operacionais implementadas pela companhia com o objetivo de mitigar os efeitos da redução de demanda causada pela pandemia da Covid-19 e os esforços bem sucedidos de ampliar a oferta do produto com menor teor de enxofre consistente com nosso objetivo estratégico de lançar produtos mais limpos para a preservação do meio ambiente, em substituição ao Diesel S-500.

No primeiro trimestre de 2021, alcançamos recorde na produção de propeno na Replan, produto de alta margem, atingindo 22,8 mil toneladas. Também obtivemos o melhor resultado dos últimos cinco anos nas vendas de asfalto, de 428,3 mil toneladas, como fruto do esforço integrado da área comercial, logística e refino.Em março entregamos 191,2 mil toneladas de óleo combustível de baixo teor de enxofre no porto de Santos, a maior quantidade já entregue desde março de 2011. Foram 266 operações de abastecimento para 238 navios realizadas graças ao trabalho integrado das áreas comerciais, de logística, das refinarias e da Transpetro.

Na exportação de petróleo, permanece o foco em desenvolver novos mercados para a corrente de óleo Búzios e novos clientes foram incorporados à carteira no primeiro trimestre de 2020. Além disso, iniciamos as exportações de uma nova corrente de produção, petróleo Atapu, com a venda de duas cargas no trimestre.

Em março de 2021, a integração entre as áreas envolvidas da Petrobras e Transpetro permitiu atingir a importante marca de formação de 21 cargas de exportação (equivalente a 20,3 milhões de barris) no Terminal de Angra dos Reis, nova melhor marca em termos de números de cargas de exportação usando os píeres do terminal, superando janeiro de 2021 quando foram formados 20 lotes.

Exploração & Produção — A produção média de óleo, LGN e gás natural no primeiro trimestre de 2021, foi de 2.765 Mboed, um aumento de 3,1% em relação ao quarto trimestre de 2020 devido à continuidade do ramp-up da plataforma P-70 e à menor realização de paradas para manutenção no pré-sal. No quarto trimestre de 2020 , teve uma concentração de paradas para manutenção com impacto elevado devido às restrições impostas pela pandemia no segundo trimestre de 2020 e no terceiro trimestre de 2020. No primeiro trimestre de 2021, a produção nos campos do pré-sal foi 7,0% superior ao trimestre anterior, devido ao ramp-up da plataforma P-70, no campo de Atapu, e à normalização dos níveis de produção das plataformas que realizaram paradas programadas no quarto trimestre de 2020, principalmente os FPSOs Cidade de Itaguaí e Cidade de Mangaratiba, no campo de Tupi, além das plataformas P-75 e P-77, no campo de Búzios.

A produção no primeiro trimestre de 2021, do pós-sal foi 6,3% inferior ao trimestre anterior em função das maiores perdas com paradas para manutenção, com destaque para as plataformas FPSO Cidade de Niterói, no campo de Marlim Leste, P-52, no campo de Roncador, P-56, no campo de Marlim Sul, P-25 e P-31, no campo de Albacora, além do impacto da venda da parcela da participação da Petrobras no campo de Frade, na Bacia de Campos, concluída em fevereiro. A produção de terra e águas rasas no primeiro trimestre de 2021, foi de 109 Mbpd, 5 Mbpd inferior ao trimestre anterior, principalmente em função do desinvestimento do campo de Baúna, na Bacia de Santos.

Refino — vendas no primeiro trimestre de 2021, apresentaram queda em relação ao quarto trimestre de 2020 devido à sazonalidade do período e aos impactos decorrentes da intensificação de medidas restritivas associadas ao recrudescimento da pandemia da Covid-19, parcialmente compensados pelo aumento da nossa participação no mercado de diesel e gasolina. Em relação ao primeiro trimestre de 2020, houve crescimento de 2,3% nas vendas, destacando-se o aumento nas vendas de diesel entre os períodos. A queda de 4,1% na produção de derivados e a redução de 2 p.p. do FUT acompanharam as menores vendas no primeiro trimestre de 2021, em relação ao 4quarto trimestre de 2020 e refletiram as paradas programadas que ocorreram no primeiro trimestre (Refap, RPBC, Regap e Reduc).

Diesel — As vendas de diesel do primeiro trimestre de 2021, registraram queda de 3,0% com relação ao quarto trimestre de 2020, uma boa performance se compararmos com a variação da sazonalidade típica do consumo (historicamente inferior em cerca de 7%). Em relação ao primeiro trimestre de 2020, houve aumento de 20%. Ambos os resultados ocorreram principalmente devido ao aumento da participação da Petrobras no mercado com maior competitividade em relação às vendas por terceiros. Contudo, o impacto positivo do aumento de market-share foi parcialmente atenuado pelo aumento da mistura obrigatória de biodiesel no diesel que passou de 12% em março de 2020 para 13% a partir de março de 2021. Em abril de 2021, o Conselho Nacional de Pesquisa Energética anunciou a redução do percentual da mistura de biodiesel no diesel de 13% para 10%. Destacamos também a evolução das vendas do diesel S-10, que apresentaram um crescimento de 2,0% no primeiro trimestre de 2021, em relação ao 4T20, e o novo recorde de vendas do S-10 alcançado em março de 2021, com a comercialização de 416 Mbpd, superando em 2,8% o recorde anterior, alcançado em outubro de 2020. Ressaltamos também que a comercialização do 7 Diesel S-10 representou 54,0% das vendas totais de diesel no primeiro trimestre de 2020, um aumento de 2,6% com relação ao quarto trimestre de 2020, consistente com a estratégia de produzir combustíveis mais limpos para a preservação do meio ambiente. A Revap e a Refap alcançaram recordes mensais de produção de diesel S-10 em março. A produção de diesel foi 4,6% menor do que o 4T20 devido às paradas programadas realizadas no período e ao maior volume de importações realizadas pela companhia.

Gasolina — As vendas de gasolina no primeiro trimestre de 2021, registraram queda de 11,2% em relação ao quarto trimestre de 2020, seguindo a sazonalidade típica entre os trimestres. Na comparação com igual período de 2020, as vendas tiveram crescimento de 3,8%, por conta, principalmente, da maior competitividade em relação aos importadores, resultando em um aumento de participação da companhia no mercado brasileiro de gasolina. A produção de gasolina acompanhou o movimento das vendas, com redução de 2,7% no primeiro trimestre de 2021, em comparação ao quarto trimestre de 2020 e aumento de 4,8% em comparação ao primeiro trimestre de 2020.

Óleo Combustível — As vendas de óleo combustível no primeiro trimestre de 2021, apresentaram crescimento de 8,3% em relação ao quarto trimestre de 2020, em função principalmente da elevação do consumo para geração termelétrica e de maiores vendas para o segmento industrial na Região Norte. Na comparação com primeiro trimestre de 2020, as vendas registraram um expressivo crescimento de 36,1%, refletindo maiores vendas para geração térmica, devido à necessidade de despacho das unidades a partir de outubro de 2020. No primeiro trimestre de 2021, a produção de óleo combustível teve redução de 5,2% e 3,8% em comparação com o quarto trimestre de 2020 e primeiro trimestre de 2020, respectivamente. A produção menor neste trimestre teve como principal fator as paradas programadas na Reduc e RPBC. Embora neste trimestre tenha havido uma forte demanda doméstica de óleo para geração termelétrica, a maior parte da produção segue com foco no atendimento ao mercado externo, que representou 78% do total de vendas no primeiro trimestre de 2021. Em março houve recorde mensal de produção de óleo combustível de baixo teor de enxofre na Rnest e RPBC.

Nafta — As vendas de nafta no primeiro trimestre de 2021, apresentaram uma expressiva queda de 16,8% e 48,8% em relação ao quarto trimestre de 2020 e primeiro trimestre de 2020, respectivamente. A redução das vendas refletiu os novos contratos vigentes com a Braskem no Rio Grande do Sul e na Bahia desde 23 de dezembro de 2020, com quantidades compromissadas menores em relação ao contrato anterior. A produção acompanhou a redução das vendas, 27,1% e 5,7% menores em comparação com o primeiro trimestre de 2020 e o quarto trimestre de 2020, respectivamente, sendo as correntes de nafta redirecionadas para a produção de gasolina como solução para a menor demanda.

Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) — A redução de 2,7% das vendas de GLP no primeiro trimestre de 2021, em relação ao quarto trimestre de 2020 é decorrente da sazonalidade do produto, tanto para uso industrial, quanto residencial. A produção de GLP diminuiu 4,8% em relação ao primeiro trimestre de 2020, principalmente devido à parada programada na REFAP, que impactou tanto o final do quarto trimestre de 2020 quanto o início do primeiro trimestre de 2021.

Querosene de Aviação (QAV) — As vendas de QAV do primeiro trimestre de 2021 foram 6,4% superiores às do quarto trimestre de 2020, mantendo o histórico de maiores vendas em função da sazonalidade. No entanto, as restrições à movimentação impostas pela Covid-19 ainda têm impacto considerável nas vendas, como pode ser visto pela queda de 35% em relação ao primeiro trimestre de 2020, período no qual os efeitos da pandemia ainda eram pouco relevantes. O aumento do valor do combustível de aviação no mercado internacional, a retração da economia e a desvalorização cambial no período também contribuíram, em menor escala, para a redução das vendas do primeiro trimestre de 2021, em relação ao primeiro trimestre de 2020,. O mês de janeiro foi o mês com maior volume de vendas desde abril de 2020, todavia houve forte retração das vendas em março de 2021 em função do aumento dos casos da Covid-19 no país. 9 A produção de QAV acompanhou o comportamento do mercado, tanto na recuperação parcial das vendas em comparação com o quarto trimestre de 2020, com aumento de 10,8%, quanto na queda significativa das vendas em comparação ao primeiro trimestre de 2020,, com redução de 36,8%.

Gás e Energia — No primeiro trimestre de 2021, a geração de energia elétrica foi de 2.864 MW médios, uma redução de 16,6% em relação ao quarto trimestre de 2020, em virtude do aumento dos níveis dos reservatórios das hidrelétricas. O aumento no volume de vendas no ACR (Ambiente de Contratação Regulada) decorre da entrada em vigor de novo contrato da UTE Ibirité em janeiro de 2021, cuja venda ocorreu no leilão A-2 de 2019. No primeiro trimestre de 2021, o volume de venda de gás natural se manteve estável em relação ao quarto trimestre de 2020. O maior volume de gás nacional no primeiro trimestre de 2021, é explicado pelo menor número de paradas programadas nos campos de produção do pré-sal em relação ao 4quarto trimestre de 2020, resultando na menor necessidade de suprimento através da regaseificação de GNL.

Exportação e Importação Líquida — No primeiro trimestre de 2021, a exportação líquida caiu 43,2% em relação ao quarto trimestre de 2020, tendo ocorrido a redução nas exportações e aumento nas importações de petróleo e derivados (principalmente diesel). A queda nas exportações de petróleo foi decorrente da menor produção de óleo no final do 4quarto trimestre de 2020, período em que foi retomada a campanha de paradas programadas das plataformas que não puderam ser efetuadas no segundo trimestre de 2020 e terceiro trimestre de 2020 devido à pandemia. O aumento nas importações de petróleo e diesel ocorreu devido às paradas programadas nas refinarias.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira