Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

19/11/2020 - 07:59

O renascimento do dinheiro físico durante a pandemia

Pagamentos instantâneos, carteiras eletrônicas, QRCode e sistemas de pagamento baseados em biometria - facial, por exemplo. Nos últimos anos, você deve ter ouvido falar – diversas vezes – que o surgimento de tecnologias como essas marcariam o fim do dinheiro físico, não é mesmo? O que pouca gente imagina, contudo, é que o ano de 2020 seria marcado, também, por um aumento expressivo no volume de moeda em espécie em circulação no Brasil. Mas seria isso, afinal, um episódio pontual ou sinal de que as projeções não estavam em dia com a realidade das pessoas?

Evidentemente, qualquer resposta agora seria precipitada. Este ano ficará para sempre marcado como um período atípico de nossa história, e seria inoportuno cravar qualquer avaliação baseado no que vimos durante a pandemia. Ainda assim, o que é possível dizer, desde já, é que, apesar do avanço dos meios eletrônicos de pagamento, a circulação de moedas e notas segue sendo um importante fator a ser considerado na economia global.

De acordo com números do Banco Central, por exemplo, o Brasil tem atualmente mais de 320 bilhões de reais em circulação. Isso representa quase 30% a mais do que tínhamos no início de 2020 e marca a maior quantidade de papel moeda em uso no País desde que os dados sobre este tema começaram a ser registrados em 2001.

Podemos explicar esse movimento de diversas formas. Entre os pontos a serem destacados, no entanto, é preciso salientar três fatos: o avanço no número de negócios informais com pagamentos em espécie; o aumento no número de pessoas estocando dinheiro em casa; e, claro, o alto impacto provocado pelo pagamento do auxílio digital pelo Governo Federal.

Ao todo, mais de 60 milhões de pessoas puderam receber o benefício – e grande parte desse contingente teve de sacar as quantias diretamente em dinheiro. Ainda nesse quesito, vale considerar que, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 70% dos beneficiários do Bolsa Família e dos que receberam o auxílio de emergência não possuem conta bancária, e sacam esses recursos em espécie.

Por outro lado, ainda que nossa realidade seja bastante específica, é preciso deixar claro, por outro lado, que esse cenário não é exclusividade do Brasil. Estudos do braço econômico da ONU mostram que em outras regiões do planeta, como a Europa e América do Norte, também foi visto o aumento no número de saques e o maior uso de dinheiro físico. Hoje, estima-se que a movimentação de dinheiro físico represente, hoje, 11% do PIB dos Estados Unidos – contra menos de 6% registrados em fevereiro desse ano. Ou seja, o mundo inteiro está vendo um aumento gradual no uso de cédulas e moedas, sacando mais dinheiro nos caixas eletrônicos – ou estocando em casa.

Seja como for, o fato é que o papel moeda ainda tem uma importante função na economia atual, sobretudo entre aqueles que não possuem contas em bancos ou acesso à digitalização real. Aqui no Brasil, relatórios da FEBRABAN apontavam que um enorme contingente de pessoas ainda não possui contas bancárias e se valem quase que exclusivamente às operações locais, em dinheiro.

Não é preciso problematizar demais a questão para supor que esses consumidores que estão fora do mercado formal e da bancarização ainda seguem distantes das inovações trazidas por soluções como o PIX, entre outras. Para eles, o dinheiro físico é a principal -senão única – forma de realizar suas compras e pagamentos. Eles aplicam suas receitas em pequenos negócios que, por sua vez, também realimentam os caixas e ATMs da rede bancária de todo o País.

Por isso, é preciso prestar atenção a este cenário – que aparentemente ficou invisível aos olhos de quem imaginava o fim das moedas já no futuro em curto prazo. Apesar de não sabermos se a sobrevida do dinheiro físico foi um fato pontual gerado somente pela pandemia, é interessante notarmos que muita gente ainda depende do velho e tradicional modelo de compra e venda com papel.

E isso também serve para ressaltar a importância e o valor da manutenção da rede de caixas eletrônicos durante as ações de restrição de mobilidade. Hoje, é possível perceber que o mundo não parou, muito porque serviços como a gestão de ATMs permaneceu firme, abastecendo e suprindo as demandas da população – necessidades essas que continuarão em evidência nos próximos meses e anos, até que a crise aberta pela disseminação de Covid-19 seja apenas como uma oportunidade para vencer novos desafios.

. Por: Matheus Neto, Gerente de Pré-Venda da Diebold Nixdorf do Brasil.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira