Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

24/07/2020 - 07:59

Rupturas e transformações mundiais


Para onde está indo o Brasil? Enquanto se perde muito com disque-disque estúpido, o mundo está afundando. A geopolítica já era brava; com a pandemia está virando pandemônio, assinalando um ponto de ruptura com a forma displicente de viver como até agora. Mas é também a oportunidade para cada um buscar o saber do real significado da vida e seguir o querer que nasce no coração, espontaneamente, sem cálculos nem artifícios. Temos de aproveitar os dias de isolamento para ler, escrever, estudar, entender para onde a humanidade se encaminha, e entender por que a situação chegou a esse extremo de aspereza. O livro do Apocalipse não esclarece a causa do falhar espiritual dos humanos.

Há tempos vem sendo anunciado que a humanidade se encontra numa fase de turbulências. As crises foram se sucedendo, tais como as financeiras, econômicas, sociais e inclusive ambientais devido à continuada destruição da natureza. A vida seguia com tendência de aumento da precarização geral, e para piorar, a pandemia do coronavírus acarretou uma parada econômica mundial da qual está sendo difícil se desvencilhar; isso tudo está levando a uma fase de transformações.

Seria possível estabelecer o reino de mil anos mencionado na Bíblia - um tempo de paz e harmonia na Terra? O ser humano se agarrou ao mundo material, mas é espírito dotado de livre arbítrio que foi deixado escanteado, seguindo só o intelecto, um grande erro não corrigido, apesar das múltiplas advertências, o que gerou um viver caótico, afastado das leis da Criação. Há os que se julgam acima de tudo e visam estabelecer o mundo que mais lhes apraz, e vão criando desarmonias à sua volta. O embate pelo poder se acirra, mas no final o que restar terá de colocar a espiritualidade acima da materialidade e seguir as leis da Criação para promover a paz e a evolução.

O mundo está doente. Michael Pettis, professor de finanças da Universidade de Pequim, em recente entrevista delineou a origem dos desequilíbrios econômicos gerados a partir da busca de menores custos da mão de obra, acarretando a estagnação do consumo em decorrência dos baixos salários e da transferência dos ganhos para o mercado financeiro. No Brasil, há décadas há uma grave doença que é o despreparo para a vida e a consequente falta de bom senso de grande parcela da população. No passado, os tataravós e avós se movimentavam e resolviam muitos problemas de saúde, da vida, da educação e criaram filhos sadios que se tornaram cidadãos de qualidade. O bom preparo para a vida foi deixado para plano secundário, estagnando o país.

A educação começa em casa com a responsabilidade dos pais, mas é também uma responsabilidade de todos: do governo, das empresas, da mídia, para formar seres humanos de qualidade, com bom senso, raciocínio lúcido e responsável pela melhora geral. Com 7,6 bilhões de almas encarnadas, o mundo faminto volta os seus olhares para as terras do Brasil e seu agronegócio em clima tropical, com solos bons e abundância de água; esse também é um fator da geopolítica que está interferindo drasticamente na política interna visando ter governantes dóceis aos interesses externos. O Brasil tem de prestar muita atenção a isso tudo para não se tornar refém e impedido de seguir em frente. No entanto, há que cuidar atentamente da natureza para que os mananciais sejam conservados firmes com volume e qualidade da preciosa água, já escassa em muitas regiões.

A situação mundial está confusa. O ateísmo vem crescendo. Os religiosos querem fazer a imagem do Grande Criador Único, sem reconhecer a Vontade Dele que se inscreve nas leis naturais da Criação. Então surgiram ódios, confrontos, destruição. Com estadistas responsáveis e bom preparo da população, a tendência nacionalista é o caminho natural. As comunicações sobre a pandemia deveriam orientar a população, não a amedrontar. As matérias-primas extrativas são finitas. Deve-se aproveitar a oportunidade do agronegócio para que possamos produzir alimentos de forma a distribuir renda. Se cada povo cuidar bem de seu território, com liberdade e responsabilidade, o planeta estará bem cuidado, mas é preciso o equilíbrio da economia na produção, comércio, trabalho, renda, consumo, e progresso com preservação da natureza.

. Por: Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: [email protected]; Twitter: @bidutra7

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira