Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

10/05/2008 - 12:49

GM do Brasil anuncia implantação de novo centro logístico no Porto de Suape, em Pernambuco


Objetivo inicial da unidade é movimentar até 25 mil veículos por ano.

A General Motors do Brasil decidiu implantar um novo e moderno Centro Logístico de Distribuição de Veículos – CDV - no País. Ele já estará em funcionamento a partir de dezembro de 2008 e movimentará, numa etapa inicial, até 25 mil veículos.

A unidade da GM ficará localizada no Complexo Industrial e Portuário Governador Eraldo Gueiros - Suape, na cidade de Ipojuca, que fica a 57 quilômetros de Recife, a capital pernambucana. O investimento global do projeto está orçado em R$ 30 milhões.

A formalização do projeto foi feita pela diretoria da GM do Brasil que participou, nesta sexta-feira (09/05/2008), em Recife, no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo pernambucano, da solenidade de assinatura do termo de compromisso junto ao Governo do Estado de Pernambuco – representado pelo governador Eduardo Campos e pelo seu secretário estadual do Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerra Coelho, dentre outras autoridades - e diretores do Complexo de Suape.

A empresa esteve representada por Jaime Ardila, presidente da GM do Brasil e Mercosul, José Carlos Pinheiro Neto, vice-presidente, João Rotta, diretor Jurídico, Luiz Moan, diretor de Assuntos Institucionais, Pedro Luiz Dias, diretor de Comunicação Social, e Edgard Pezzo, diretor de Supply Chain da GM para a divisão LAAM, dentre outros diretores.

Pioneirismo da GM - “Mais uma vez a GM resgata seu pioneirismo nesta área de logística, ao criar este importante centro de distribuição de veículos no Estado de Pernambuco. Esta decisão faz parte da estratégia da GM de buscar o melhor atendimento aos consumidores, em termos de tempo de entrega dos veículos e também na prestação de serviços com qualidade. E isso será possível com a racionalização no manuseio dos veículos e a evolução nesta atividade operacional”, destaca Jaime Ardila, presidente da General Motors do Brasil e Mercosul.

Ardila acrescenta, ainda, que a GM decidiu retomar seus investimentos em Pernambuco, pela potencialidade de crescimento daquele Estado e também da Região Nordeste. Lá, aliás, a empresa já teve uma atividade similar, ou seja, um CDV utilizado especificamente para agilizar a distribuição do modelo Celta.

José Carlos Pinheiro Neto, vice-presidente da GM do Brasil, acentua que a empresa “optou pela Região Nordeste, que vive um dos maiores crescimentos econômicos do País, e também pelo fato de continuarmos acreditando na economia brasileira”. Segundo ele, para se ter uma idéia do potencial do Nordeste, aquela região concentra cerca de 50 milhões de habitantes, ou seja, perto de 30% da população brasileira.

Segundo Pinheiro Neto, as vendas de veículos no Nordeste tiveram um expressivo crescimento de 92% nos últimos cinco anos, no período de 2003 a 2007, superando a média registrada pelo setor como um todo, que foi de 70%. Em 2008, no período acumulado de janeiro a abril, a GM registrou um crescimento de 31% em suas vendas no Nordeste, contra igual período de 2007, superior ao índice registrado pela indústria, que foi de 25%. Já em Pernambuco, onde a GM terá uma nova unidade, o crescimento da GM foi ainda maior no mesmo período, com uma evolução de 50% nas vendas, contra 33% registrado pela indústria.

Conceito moderno de distribuição de veículos - Luiz Moan, diretor de Assuntos Institucionais da GM, que coordenou nos últimos meses todo o processo de definição da localização do novo centro logístico da empresa, destaca que o Porto de Suape é um local estratégico que reúne todas as condições de se transformar, em pouco tempo, em um autêntico hub port, no mais moderno conceito mundial.

Entende-se por hub port ou porto de transbordo aquele porto concentrador de cargas e de linhas de navegação. O termo decorre das estratégias de aumentar o tamanho dos navios, concentrar rotas e reduzir o número de escalas adotadas pelas principais companhias marítimas, notadamente a partir dos anos noventa.

“Sem dúvida alguma vamos contar com excelentes condições de operação, seja na atracação das embarcações, seja na capacidade existente de calado para diferentes portes dos navios que trarão os veículos importados. Temos a convicção de que poderemos adotar um planejamento eficiente de atividade bastante estruturado e definido, de acordo com as nossas expectativas e necessidades”, acrescenta Moan.

Inicialmente, segundo Moan, a previsão é de uma movimentação por aquele entreposto, de até 25 mil veículos importados anualmente da Argentina, incluindo os modelos Chevrolet Tracker com motor a gasolina e Classic Flexpower, para distribuição específica na região Nordeste do País. Ele não descarta a possibilidade de, no futuro, a unidade também movimentar veículos de produção nacional e importados da GM de outras regiões do mundo.

O empreendimento da GM terá condições de funcionamento em três turnos, incluindo o noturno. A nova unidade ocupará uma área de 60 mil metros quadrados e, no futuro, ela poderá ser ampliada para 120 mil metros quadrados..

Para movimentar os veículos e garantir o funcionamento da unidade, serão necessárias entre 50 e 80 pessoas, incluindo mão-de-obra portuária, operadores de logística, os transportadores autônomos e grupo de apoio administrativo.

O investimento global do projeto inclui toda a logística de operação do CDV da GM, desde a atracação dos navios, inspeção de qualidade, preparação dos veículos nos pátios de estacionamento e de carregamento para seu transporte em carretas (cegonheiras) destinadas para toda a Região Nordeste, bem como escritórios e vestiários dos funcionários e dos operadores de logística.

De acordo com Edgard Pezzo, diretor de Supply Chain da GM para a divisão LAAM, que engloba as regiões da América Latina, África e Oriente Médio, a desconcentração das importações da GM por meio da região Nordeste, reforçará o esforço que vem sendo desenvolvido pelos órgãos governamentais, para um melhor aproveitamento dos recursos portuários brasileiros e uma otimização logística.

"Estaremos desconcentrando as importações da GM e acrescentando mais oportunidades para o desenvolvimento de pólo portuário localizado na região Nordeste", destaca Edgard Pezzo.

Ele cita ainda que o crescimento do Porto de Suape, devido à sua localização geográfica privilegiada, abre novas perspectivas logísticas pois traz competitividade para as importações originárias de países do Hemisfério Norte e propicia novas oportunidades para a consolidação de cargas rodoviárias, com a perspectiva de que Suape será um representativo centro gerador de cargas em ponto extremo ao Nordeste, disponibilizando cargas no contra-fluxo da atual distribuição nacional.

Suape, um moderno porto - Segundo informações oficiais do governo pernambucano, o Complexo Industrial e Portuário de Suape é o mais completo pólo para a localização de negócios industriais e portuários da Região Nordeste. Dotado de excelente infra-estrutura, está apto a atender às necessidades dos mais diversos empreendimentos. Além disso, ele possui uma localização geográfica privilegiada, com distâncias reduzidas em relação aos grandes portos europeus e norte-americanos.

Nos últimos anos, Suape tem atraído um número cada vez maior de empresas interessadas em colocar seus produtos no mercado regional ou exportá-los para outros países.

A posição geográfica de Pernambuco, no centro da Região Nordeste, transforma Suape em um centro concentrador e distribuidor de cargas. A localização também torna o porto de Suape vocacionado como um porto internacional concentrador de cargas – hub port - para toda a região da América do Sul, conseqüência da combinação da localização privilegiada e do interesse do Estado em alavancar investimentos para tornar Suape bastante atrativo aos armadores.

Mais de 80 empresas já se instalaram ou estão em fase de implantação no Complexo Industrial, representando investimentos da ordem de US$ 8,3 bilhões.

Em uma estratégia planejada em conjunto pelos armadores internacionais com o governo do Estado de Pernambuco, Suape passou a ser visto como o porto que poderia realizar, na Costa Atlântica da América do Sul, as operações de "transhipment", ou seja, a transferência de cargas de navios de grande porte (full-containers de quarta geração) para as instalações portuárias e reembarcando-as em navios de menor porte.

O pólo agrega uma multimodalidade de transportes, por meio de rodovias e ferrovias internas, aliadas a um porto de águas profundas com redes de abastecimento de água, energia elétrica, telecomunicações e gás natural instaladas em todo o complexo.

A bela cidade de Ipojuca (PE) - Localizada a 57 quilômetros do Recife e com uma população de 60 mil habitantes, Ipojuca ganhou seu nome do tupi guarani Iapajuque, que significa Água Escura. Administrativamente, o município é formado pelo distrito sede e pelas localidades de Camela, Nossa Senhora do Ó, Porto de Galinhas, Praia do Touquinho e Suape.

Por conta das praias visitadas por turistas de todas as partes do mundo, Ipojuca tem o turismo como um dos principais fatores econômicos. A rede hoteleira é bastante desenvolvida, assim como a gastronômica.

O município de Ipojuca também é considerado um dos grandes pólos industriais de Pernambuco, pois ali estão situadas algumas grandes empresas surgidas ao redor do Porto de Suape. Além disso, por estar localizada na Região Metropolitana do Recife, também tem o setor de serviços e a indústria de transformação bastante desenvolvida.

Ipojuca é um dos cartões postais de Pernambuco pois possui praias paradisíacas conhecidas como as mais bonitas do nordeste, com destaque para Porto de Galinhas, também considerada uma das mais belas do País. A Região Metropolitana de Pernambuco também abriga os municípios de Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Abreu e Lima, Paulista, Igarassu, Itapissuma, Itamaracá, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, São Lourenço da Mata, Araçoiaba e Moreno.

Foto: (esq./dir.) Eduardo Campos, governador do Estado de Pernambuco, João Rota, diretor jurídico da GM, Jaime Ardila, presidente da GM do Brasil e Mercosul, e, José Carlos Pinheiro Neto, vice-presidente da GM do Brasil.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2019 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: