Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

09/08/2019 - 08:48

Ginástica artística brasileira faz a melhor campanha da história em Jogos Pan-americanos


Com quatro ouros, quatro pratas e três bronzes, desempenho em Lima supera Rio 2007.

O último dia de competições da ginástica artística em Lima 2019 reservou mais quatro medalhas ao Time Brasil: ouro com Francisco Barretto na barra fixa; prata com Arthur Nory na barra fixa; prata com Caio Souza nas barras paralelas; e bronze com Flávia Saraiva no solo. Com isso, o país fez a sua melhor campanha na história da modalidade em Jogos Pan-americanos: 11 medalhas, sendo 4 ouros, 4 pratas e 3 bronzes. Antes, o melhor resultado havia sido obtido no Rio 2007, com 4 ouros, 2 pratas e 5 bronzes. Um desempenho memorável.

"O saldo é extremamente positivo, fruto de um trabalho conjunto entre o COB, as Confederações, os clubes, a Caixa Econômica Federal, o Exército Brasileiro e a Secretaria Especial do Esporte, do Ministério da Cidadania do Governo Federal, através do Bolsa Atleta. Todos conseguiram juntos uma harmonia de trabalho e possibilitar o crescimento da modalidade. Essa é a fórmula do sucesso da ginástica brasileira, que alcança uma posição de destaque no continente e no mundo", disse Jorge Bichara, diretor de esportes do COB, que ainda complementou:

"É inegável que o masculino se destacou muito, mas precisamos falar também da superação feminina. Havíamos perdido a Rebeca Andrade, houve o problema da Jade Barbosa e, mesmo assim, a equipe se superou. Foi colocada à prova física e psicologicamente, mas demonstrou um alto nível de resultados".

Com o fim da ginástica artística, modalidade que mais contribuiu para o quadro de medalhas do Brasil, o país soma agora 12 ouros, 10 pratas e 18 bronzes. Além das conquistas desta quinta, vieram ouros na equipe masculina, Francisco Barretto (cavalo com alças) e Caio Souza (individual geral); pratas com Arthur Nory (individual geral) e Arthur Zanetti (argolas); e bronzes com a equipe feminina e Flávia Saraiva (individual geral).

Os Jogos Pan-americanos foram encarados pela seleção de ginástica como uma preparação para o Campeonato Mundial, em Stuttgart (Alemanha), entre 4 e 13 de outubro, que é classificatória para os Jogos Olímpicos Tóquio 2020.

"Estamos colhendo o fruto de um trabalho duro, a longo prazo. Viemos preparados para tentar uma série diferente, com um nível de dificuldade maior. Esse foi um grande teste para o Mundial, onde queremos trazer essa vaga olímpica para o Brasil", afirmou Francisco Barretto, principal nome da equipe em Lima 2019, com três ouros.

Num dia em que foram distribuídas poucas medalhas, em apenas 11 provas, o badminton assegurou outros três pódios nas duplas (masculina, feminina e mistas). Francielton/Fabrício Farias, Fabiana Silva/Tamires dos Santos e Fabrício Farias/Jaqueline Lima avançaram às semifinais e segue vivo no torneio. Como a modalidade não tem disputa pelo terceiro lugar, já estão garantidos, no mínimo, mais três bronzes.

Vagas olímpicas — O principal objetivo do Time Brasil nos Jogos Pan-americanos é classificar o maior número de atletas e equipes para Tóquio 2020. E, nos cinco primeiros dias de competições, foram 18 novas vagas: 14 no handebol feminino; 3 no hipismo adestramento; e Iêda Guimarães, no pentatlo feminino.

O esporte brasileiro começou o Pan com 49 vagas conquistadas. Ana Marcela Cunha, na maratona aquática; a seleção feminina de futebol; três revezamentos na natação (4x100m livre masculino, 4x200m livre masculino e 4x100m medley masculino); a seleção feminina de rugby de 7; e as classes 49er FX, Nacra 17, Laser e Finn, da vela. O número chama a atenção porque, dessas 67 vagas, 48 são destinadas exclusivamente para as mulheres. | cob.org.br

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2019 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: