Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

11/07/2019 - 09:57

Produção de pet food brasileira pode crescer mais de 60%

São Paulo — O segmento de alimentos para animais de estimação, o chamado Pet Food, demandou 7,35 milhões de toneladas para suprir toda a população de cães e gatos no ano passado. Os fabricantes produziram 2,74 milhões de toneladas, o que corresponde a 37,3% do total demandado. No entanto, o mercado ainda tem um potencial de crescimento de 4,6 milhões de toneladas. É o que indica o mais recente levantamento do Instituto Pet Brasil (IPB), entidade de classe que congrega a indústria e o varejo do setor pet.

De acordo com os dados levantados, o Brasil está em terceiro lugar no ranking da população pet mundial, com 139,3 milhões de animais de estimação, atrás da China e dos Estados Unidos. Apenas como base de comparação, a América do Norte produz mais de 9,6 toneladas de pet food. "A indústria brasileira tem muito o que desenvolver. Mas os números positivos, juntamente com o potencial de consumo, trazem confiança", ressalta Nelo Marraccini Neto, vice-presidente da unidade de Comércio e Serviços da entidade.

Perfil — O Instituto Pet Brasil (IPB) nasceu em 2013 para estimular o desenvolvimento do setor Pet, composto pelos pilares criação, produtos e serviços para animais de estimação. A entidade lidera projetos de fomento ao conhecimento, ao empreendedorismo e à inovação, com o objetivo de profissionalizar toda a cadeia Pet. Nosso objetivo é construir um setor mais profissionalizado, e fortalecer a relação entre seres humanos e animais de estimação, que comprovadamente é benéfica para a saúde e o bem-estar de ambos.

O IPB disponibiliza informações relevantes para o setor, bem como promove a capacitação das empresas brasileiras, gerando mais competitividade e, com isso, serviços cada vez melhores para os nossos melhores amigos.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2019 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: