Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

27/10/2018 - 09:22

A força do Brasil é o seu povo


Unido, solidário e que pratica o respeito às diferenças de raça, gênero, opções sexuais, filosofias e ideologias. Esta é a mensagem do mestre Vedanta, Jonas Massetti, para os brasileiros neste momento tenso que precede as eleições presidenciais.

Neste momento, o Brasil passa por uma situação política, econômica, social e ambiental muito séria e que requer muita atenção e energias transformadoras das pessoas. É importante que neste cenário exista a canalização de energias positivas para que, por maiores que sejam as dificuldades, prevaleça o amor, a solidariedade e o sentimento de irmandade, ao invés do ódio, do preconceito e da violência.

Nós, brasileiros, somos um único povo, uma única nação e temos de pensar e trabalhar pelo bem de todos. Infelizmente, muitas pessoas estão disseminando um sentimento de intolerância com a filosofia, a ideologia, a raça, o gênero, as opções sexuais e as diferenças dos outros. É importante buscarmos imediatamente reverter estes sentimentos, que tem se revertido em ações lamentáveis, e buscar a essência do nosso povo, que é de amor, alegria, flexibilidade e determinação.

Cada um de nós tem o direito de fazer suas opções de vida e de pensar de formas diferentes, pois ao debater, conversar e conhecer o outro, nós temos a oportunidade de trocar ideias e de nos aperfeiçoarmos e evoluirmos como seres humanos. É fundamental respeitar a opinião e os porquês um dos outros, pois cada pessoa tem razões próprias para definir seus caminhos de vida, inclusive escolhendo direções políticas divergentes.

Independentemente de quem irá votar num partido em outro, somos todos brasileiros e a nosso modo estamos tentando construir um País melhor. Porém, somos nós que faremos a diferença no final porque somos moderadores e os condutores do nosso País. Os políticos estão lá para executar o mandato que nós damos, visando tornar nosso modo de vida melhor e consolidar nossa visão desta nação. É óbvio que eles não têm cumprido seu papel e estamos todos insatisfeitos e queremos mudar, mas o grande poder de transformação é nosso ao votar, acompanhar e interferir nas decisões dos parlamentares e do executivo, ao mesmo tempo em que cada um exerce seu poder individual de fazer o melhor para si, seus familiares e amigos.

Precisamos evitar a todo custo esta radicalização, que só nos levará a situações mais complicadas, de violência e de uma inconsistência muito grande, podendo vir até a nos tornar inimigos do nosso irmão, que também é brasileiro, e em um agravamento que pode nos levar à beira de uma guerra civil.

Ninguém de fora vai nos salvar. Cada brasileiro tem de fazer a sua parte, temos um país lindo, temos flexibilidade, capacidade de adaptação e de hospitalidade que nenhum outro povo tem. Devemos debater sim, mas sempre respeitando uns aos outros, e pensando como um só povo, uma só nação. Por isso, precisamos nos conectar a outra energia, sair desta postura de cisão para a de reflexão.

As pessoas estão muito sentidas, magoadas e se sentindo traídas por seus representantes. Estão passando por uma realidade de medo, que precisa ser substituída por uma realidade de amor, apoio e segurança de que integram um povo coeso. Nós somos o ponto da mudança. Se cada brasileiro se tornar mais tolerante, acolhedor e amoroso, o todo vai mudar para melhor. Nenhum governo, seja quem for seu líder, vai controlar nossos pensamentos, nossas ações e sentimentos, pois como povo unido, nós não vamos deixar. Somos uma única nação, povo e energia que quer o bem e que o semeia.

Somos a força de um povo, que se origina da miscigenação e na diversidade de raças, cores, gêneros e filosofias. Por isso, somos únicos e temos o poder de mudar tudo para a melhor. Unidos somos mais fortes e mais capazes de construir o Brasil que queremos. A única possibilidade de vivermos bem é nos tornarmos pessoas atenciosas e cuidadosas umas com as outras. Quem tem mais cuida de quem tem menos. Quem é perseguido, é protegido pelos demais. E ai de quem for contra a força do nosso povo!

É o momento de nos posicionarmos e decidirmos como as coisas serão. Temos de ter orgulho do nosso país, cantar o hino nacional e fazermos cada um a nossa parte para tornar o Brasil uma referência mundial em termos de política, economia, sociedade e de preservação ambiental. O Brasil depende da nossa união e precisamos mudar esta energia de combate para amor, união e solidariedade.

. Por: Jonas Masetti Jonas Masetti, chamado na Índia de Vishvanatha, brasileiro, tem 36 anos, e é mestre em Vedanta — estudo milenar do autoconhecimento. É discípulo do Swami Dayananda Saraswati, considerado o maior mestre de Vedanta da atualidade, tendo vivido por quatro anos na Índia, onde se formou mestre em Vedanta pelo Ashram do Swmi Dayananda em Coimbatore em 2013.

É formado em engenharia mecânica pelo IME (Instituto Militar de Engenharia), foi sócio fundador da Morning Star Consulting, onde atuou no mercado financeiro e de multinacionais como consultor de negócios. Sua empresa chegou a ser uma das maiores na área de consultoria em gestão e estratégia para grandes empresas, chegando a ter 100 funcionários em 2003. Apesar de todo o sucesso profissional, Masetti buscava uma resposta e se manteve firme neste propósito, passando por diversos grupos e professores, até chegar à Índia.

Fundou em 2013 o Vendanta.Life, instituto de espiritualidade, que tem por objetivo ser um agente transformador de pessoas para a construção de um mundo melhor para todos por meio da disseminação do Vedanta. O Instituto agrega uma comunidade com mais de 30 mil pessoas e mais de 400 alunos regulares. O conhecimento do Vedanta é disseminado por meio de aulas online, usando tecnologia de ponta, que permite alcançar alunos em outros países, tais como Estados Unidos, Portugal, México e África, bem como pessoalmente em eventos pontuais e retiros espirituais junto à natureza ou dentro de ambientes empresariais, focado aos líderes das companhias. | Perfil — Vedanta é o nome do estudo realizado a partir do final dos Vedas –— quatro escrituras básicas da cultura hindu, que deu origem ao conceito de autoconhecimento. Na sua etimologia o termo vedanta possui dois significados: ‘aquilo que se encontra ao final dos Vedas’, pois ‘anta’ em sânscrito significa ‘fim’; e também, ‘o conhecimento final’, já que a palavra ‘veda’ também significa simplesmente ‘conhecimento’.

O estudo consiste em uma mudança cognitiva, a correção de uma visão sobre o mundo e si mesmo. A visão errônea é a causa do sentimento de limitação, impotência e incompletude, que é básico em todo o ser humano.

Desse modo, Vedanta não é considerada uma religião. O conhecimento proposto se dá pelo uso de um meio externo ao sujeito. Assim como a ‘olho nu’ não somos capazes de ver a si mesmo, ninguém é capaz de ‘ver’ o ‘eu’. Portanto, Vedanta é como um espelho: funciona como meio de conhecimento para aquilo que não podemos ver sozinhos.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira