Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL
Busca: OK
CANAIS

17/11/2016 - 07:57

Gás natural produzido no Brasil tem preço 30,8% maior do que o importado da Bolívia, aponta Abegás

Preço do gás nacional é de R$ 19,38/ MMBTU enquanto valor cobrado pelo gás importado da Bolívia é de R$14,81/ MMBTU; para a Abegás, é fundamental reavaliar a política de conteúdo local e a redução da obrigatoriedade de participação mínima de 30% da Petrobras no pré-sal.

Rio de Janeiro — O gás natural no Brasil tem um preço muito superior ao que é importado pelo País da Bolívia e ao que é comercializado nos principais países do Hemisfério Norte como Rússia, Inglaterra e Estados Unidos, conforme aponta levantamento da Associação Brasileira de Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás).

No mês de agosto deste ano, o gás nacional, produzido nas Bacias de Campos e de Santos, teve um preço de R$ 19,38 por MMBTU, 30,8% acima do valor cobrado pelo gás importado da Bolívia (R$14,81/ MMBTU, incluindo a tarifa de transporte). Considerando apenas o custo da commodity boliviana, sem a tarifa de transporte aplicada pela Petrobras, o preço do gás produzido no Brasil chega a ser 114,8% superior.

“É importante desonerar a cadeia de produção de gás natural no país, principalmente com a renovação do Repetro, a reavaliação da política de conteúdo local e a redução da obrigatoriedade de participação mínima de 30% da Petrobras no pré-sal. Além disso, é fundamental a regulamentação do acesso às infraestruturas essenciais como gasodutos de escoamento e terminais de regaseificação.”, afirma o presidente executivo da Abegás, Augusto Salomon.

“É preciso salientar que todos estes pontos estão sendo discutidos no âmbito do ‘Gás Para Crescer’, iniciativa do governo federal.”, destaca Salomon.

Na comparação com o preço do gás natural no hemisfério Norte, o custo do nacional para as distribuidoras brasileiras chega a ser proporcionalmente ainda mais elevado: 35,1% em relação ao gás na Inglaterra (o NBP, a R$ 14,34/ MMBTU), 41,7% ante o gás americano no Citygate EUA (R$ 13,68/MMBTU), 42,1% frente ao gás russo entregue na fronteira com a Alemanha (R$ 13,63/ MMBTU) e 115,7% acima do gás no Henry Hub (R$ 8,858/MMBTU) – este último é resultado da consolidação do shale gas nos Estados Unidos.

A diferença do gás nacional em relação ao preço do gás boliviano fica mais acentuada na comparação com os números de agosto de 2015, quando ainda eram praticados os descontos pela Petrobras.

Naquela ocasião, o custo do gás produzido no País era de R$ 24,08/MMBTU, 3,2% abaixo do valor cobrado pela Petrobras para o gás boliviano (R$ 24,85/ MMBTU). Na época, o preço do gás brasileiro estava apenas 2,9% acima do gás russo entregue na fronteira com a Alemanha (R$ 23,4/MMBTU) e 7,6% acima do gás na Inglaterra (o NBP, a R$ 22,38/MMBTU).

“É essencial aumentarmos a quantidade de ofertantes de gás no Citygate, para que tenhamos mais competitividade.”, aponta o presidente executivo da Abegás.

A prática dos descontos no ano de 2014 tornava mais competitivo o preço do gás nacional para as distribuidoras. Em agosto de 2014, por exemplo, o gás produzido no Brasil, sem desconto, custava R$ 29,17/MMBTU e, com os descontos, caía para R$ 19,26 por MMBTU — uma redução de 34%. Com esse desconto, o gás nacional tinha um preço mais atrativo, inclusive, que o insumo boliviano (R$ 22,54/MMBTU) ou o russo entregue na fronteira com a Alemanha (R$ 23,53/ MMBTU).

O levantamento da Abegás tem por base os valores do Ministério de Minas e Energia (Brasil); da U.S Energy Information Administration (Internacional); e do Banco Central do Brasil. Os preços foram convertidos para Reais para efeito de comparação utilizando com a cotação média da moeda americana no mês de referência.

Perfil Abegás —Criada em 1990, a Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) representa as empresas concessionárias dos serviços de distribuição de gás canalizado no Brasil. Tem como visão ser referência institucional na indústria do gás natural, representando os interesses do serviço de distribuição, agindo para proteger as concessões públicas, a garantia de suprimento e a ampliação do atendimento.

Em seus 25 anos de existência, a Abegás tem atuado no estímulo ao fortalecimento das empresas distribuidoras de gás canalizado em todos os Estados da Federação; no intercâmbio e na cooperação técnica e institucional entre seus associados e outras entidades e, bem como, na colaboração com órgãos do governo federal e dos governos estaduais na formulação de programas de desenvolvimento e fortalecimento da indústria brasileira do gás natural.

Enviar Imprimir
© Copyright 2006 - 2017 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira