Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

05/03/2008 - 11:06

Embaixador brasileiro na OEA condena terrorismo e invasão colombiana

Brasília - Em reunião extraordiária da Organização dos Estados Americanos (OEA), dia 4 de março, em Washington (EUA), o Brasil reiterou a disposição de continuar sendo um facilitador na busca de solução pacífica para a crise diplomática entre Colômbia e Equador. A intenção foi manifestada pelo representante permanente do Brasil na OEA, embaixador Osmar Chohfi, que em diversos momentos de sua intervenção, deixou claro que o governo brasileiro condena a ação colombiana. E, indiretamente, definiu como terrorismo a ação dos guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

“O Brasil tem reiterado, em todos os foros dos quais participa, seu total repúdio a todas as formas e manifestações do terrorismo, seja quais forem os pretextos alegados, bem como o entendimento brasileiro de que o combate ao terrorismo será tanto mais eficaz quanto mais ampla for a cooperação internacional na matéria”, disse Chohfi.

O embaixador até mencionou o compromisso (assumido pelos países da região na Declaração de São Carlos sobre a Cooperação Hemisférica para Enfrentar o Terrorismo de Maneira Integral) de enfrentar o terrorismo em conformidade com os princípios de igualdade soberana e integridade territorial dos Estados. Segundo a classificação da Organização das Nações Unidas (ONU), seguida pelo Brasil, a única organização definida como terrorista é a Al Qaeda.

Sobre a investigação do ocorrido, Chohfi defendeu a criação de um grupo pelo fato de Equador e Colômbia terem versões diferentes para a ação militar colombiana ocorrida em território equatoriano. “Apenas uma comissão de investigação, tal como prevê o artigo 87 da Carta [da OEA], tem condições de apurar o que ocorreu. Por isso é que recorremos à OEA”.

Não houve qualquer menção a uma eventual participação mais ativa do governo brasileiro como mediador, por exemplo. “Dispomos, nesta organização, de vários dispositivos, instâncias e opções para dar início a um processo de solução de controvérsias”, ressaltou o embaixador.

Chohfi também reafirmou a confiança brasileira em uma solução negociada, por meio de um diálogo “construtivo”, e defendeu a paz como condição indispensável para o desenvolvimento da América do Sul.

“A estabilidade na região é condição imprescindível para permitir que todos possam concentrar e dirigir seus esforços a ações construtivas que conduzam à realização dos projetos de desenvolvimento nacional, não a atos que nos desviem da integração e da consolidação de um espaço sul-americano próspero e livre de tensões e de conflitos em todas as dimensões”, ponderou, em defesa do projeto de integração continental – um dos temas centrais da agenda de política externa do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A reunião extraordinária da OEA foi solcitada no último domingo pelo Equador, diante da ofensiva armada colombiana em território equatoriano. Ontem, a representação colombiana se dirigiu ao Conselho Permanente do organismo, pedindo que fosse incluído na reunião extraordinária um chamado da Colômbia para que os Estados cumpram com seus compromissos na luta contra o terrorismo. | Por: Mylena Fiori/ABr

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira