Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

29/03/2016 - 08:38

É preciso trocar o óleo do carro após atravessar enchentes?

Como saber se o lubrificante foi afetado e, em caso positivo, quais os riscos de continuar com o mesmo óleo no veículo.

Nos meses de março e abril, as condições meteorológicas causam fortes chuvas e, muitas vezes, o motorista é obrigado a enfrentar enchentes e locais com grandes quantidades de água na pista. Porém, mesmo depois de passar pela enchente com sucesso, não há garantias de que o veículo não tenha sofrido algum tipo de prejuízo.

Wilde Bueno, especialista em lubrificação da Mobil, explica a importância de consultar um mecânico de confiança, assim que possível, para fazer um check-up nas partes elétricas e no motor do veículo. É essencial conferir também os freios, a parte de baixo do veículo (uma vez que partículas de lixo podem se prender às peças), os filtros (ar, combustível e óleo) e o sistema de lubrificação do motor, entre outros itens.

“No caso do óleo lubrificante, deve-se verificar a vareta de nível e checar a aparência e a cor do produto. Se houver alguma anormalidade, como aparência leitosa e coloração que vai do creme ao café com leite, é provável que tenha entrado água no sistema”, conta o especialista.

Neste caso, é preciso trocar o óleo imediatamente porque o produto perde suas propriedades com a invasão da água. O mecânico deve realizar uma limpeza geral: esvaziar o óleo do cárter, limpar as velas e trocar o óleo e o filtro de óleo.

“O bom lubrificante minimiza o atrito das partes internas do motor, assegurando seu funcionamento. Logo, usar o veículo com o lubrificante contaminado com água pode trazer sérios problemas como a quebra da película lubrificante, possibilitando contatos metálicos e desgaste das peças e até mesmo causar o fatal motor-fundido”, conta Bueno.

Se inevitável, veja como passar pela água com segurança —Caso o motorista se veja em meio a uma enchente, é possível tomar algumas medidas para manter a segurança dos passageiros e prejudicar o menos possível o veículo: . Observe a altura do nível de água do trecho alagado e só atravesse se não ultrapassar o centro da roda. Esta é a altura de segurança para deixar o escapamento fora da água.

. Uma vez na água, o carro deve ser dirigido em baixa velocidade, em rotação constante do motor, em torno de 2.500 RPM. Não troque a marcha, para não correr o risco de o veículo morrer, e não force o acelerador, para não criar uma marola na frente do carro e permitir que a água entre no motor.

. Se o motor morrer durante a travessia, não dê a partida. Mantenha o carro desligado e remova-o apenas quando a água baixar. O ideal é guinchar o veículo até uma oficina, pois pode ser que tenha entrado água no motor e, liga-lo nestas condições, aumenta o risco de danos causados por calço hidráulico.

. É recomendado desligar o ar condicionado durante a travessia, reduzindo assim o risco de calço hidráulico.

A Mobil —Licenciada para a Cosan Lubrificantes no Brasil, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Inglaterra, Espanha e Irlanda, a marca Mobil é reconhecida mundialmente por sua liderança em lubrificantes automotivos e industriais de máxima performance. A qualidade e tecnologia superiores dos produtos geram benefícios para os clientes —tais como maior eficiência, produtividade e confiabilidade, sob o direcionamento de um time técnico altamente capacitado. |http://mobil.cosan.com.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira