Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

25/10/2013 - 08:43

Sistema de 500 kV já abastece mais da metade da energia consumida na Grande Assunção

Mais da metade da energia consumida em Assunção e região metropolitana da capital do Paraguai, com uma população estimada em aproximadamente três milhões de habitantes, já passa pelo novo sistema de 500 kV, entre a margem direita da usina hidrelétrica de Itaipu e a subestação de Villa Hayes.

A informação foi dada no dia 24 de outubro (quinta-feira), em Assunção, pelo presidente da Administracion Nacional de Electricidad (Ande), Victor Raúl Romero, durante a palestra Disponibilidad de Energia Eléctrica – Linha de Transmisión, que abriu o ciclo de conferências da Expo Paraguai Brasil 2013. Os diretores-gerais de Itaipu, Jorge Samek (Brasil) e James Spalding (Paraguai), também integraram a mesa.

A feira, que reúne mais de cem empresários brasileiros no Centro de Convenções Mariscal Lópes, na capital paraguaia, foi aberta oficialmente também nesta quinta-feira pelo presidente do Paraguai, Horacio Cartes. O objetivo é promover o intercâmbio comercial, cultural e turístico entre os dois países.

Victor Romero apresentou gráficos mostrando a evolução do consumo de energia do Paraguai e falou sobre a importância do novo sistema de 500 kV, energizado no início deste mês, para a mudança do perfil econômico do país. O linhão está em fase de comissionamento entra efetivamente em operação no final do mês.

“Hoje 43,3% do consumo de energia elétrica do Paraguai é residencial e apenas 22% industrial. Queremos mudar esse quadro”, afirmou. Segundo ele, a meta do país é ampliar o consumo atual de 2.384 MW registrado em 2012 para 6.734 MW daqui a 20 anos. “Para isso, investimentos são necessários”, disse.

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek, destacou a parceria entre Brasil e Paraguai e lembrou que os presidentes dos dois países, Horacio Cartes e Dilma Rousseff, já se encontraram quatro vezes em apenas três meses. O quinto encontro deverá ocorrer já no dia 29 de outubro (terça-feira), na subestação da margem direita de Itaipu, em Hernandárias, para a cerimônia que vai marcar a entrada em operação definitiva do sistema de 500 kV.

“O Paraguai vive o seu melhor momento de sua história. A última estimativa aponta um índice de crescimento de 13,7% [do PIB, em 2013]. O segundo maior crescimento registrado na América Latina não vai chegar à metade do crescimento do Paraguai”, destacou Samek.

O diretor brasileiro de Itaipu acrescentou que “não há desenvolvimento sem energia”. “E isso o Paraguai tem de sobra.”

James Spalding lembrou que somente Itaipu representa 8% do PIB paraguaio – e a exportação da energia excedente da usina é a segunda maior fonte de receita do país. O diretor paraguaio também destacou a importância do sistema de 500 kV para sustentar os atuais níveis de crescimento econômico do país.

“Estamos falando de 25% a 30% da energia consumida em todo o país e que já passa pelo novo sistema”, disse. “Se Itaipu é um exemplo de irmandade entre dois países, essa linha [de 500 kV] é um exemplo adicional, porque foi financiada com recursos não reembolsáveis do Mercosul e aporte voluntário do governo brasileiro”, completou.

Na abertura da Expo, ao lado do presidente Horacio Cartes, o presidente do Foro Brasil Paraguai, Raúl Baginski, relacionou as oportunidades que o país vizinho apresenta para investimentos estrangeiros, especialmente em um ambiente de estabilidade econômica e segurança jurídica. “Cremos que é o momento de o Brasil e o Paraguai ampliar essa extensa agenda de cooperação e de desenvolvimento”, salientou. A Expo Paraguai Brasil segue até esta sexta-feira (25/10).

Marco para a transformação do perfil econômico do Paraguai, a construção do sistema de 500 kV teve reflexos importantes também para a empresa responsável pela execução do empreendimento: a Itaipu.

Os números revelam o tamanho do desafio superado. Em diferentes momentos, nos últimos três anos, o projeto mobilizou de 120 a 130 empregados da usina, cerca de 2,5 mil empregados de empresas contratadas e mais de 180 mil documentos, entre desenhos, contratos e especificações. Tudo sob a coordenação de Itaipu.

Basicamente, o sistema de 500 kV compreende três grandes obras – todas já concluídas: a ampliação da subestação da margem direita de Itaipu; a construção da subestação de Villa Hayes, na Grande Assunção; e a instalação de 348 quilômetros de linhas de transmissão, apoiadas em 759 torres.

Recursos do Focem - Quase toda a obra do sistema de 500 kV foi financiada pelo Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul – o Focem, com contrapartida de 15% do Paraguai. O custo total foi de US$ 320 milhões – incluindo US$ 15,8 milhões na ampliação da subestação da margem direita, US$ 165 milhões nas linhas de transmissão e US$ 105 milhões para a construção da subestação de Villa Hayes.

Operação efetiva e gradual-A entrada em operação definitiva do sistema deve ocorrer até o começo de novembro. A energização, para os testes de confiabilidade, ocorreu no último dia 6 de outubro.

A expectativa é que o novo sistema amplie em 1.200 megawatts (MW) a capacidade de recepção pelo Paraguai da energia produzida por Itaipu – equivalente à demanda de energia, somada, dos Estados do Amazonas, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Mas esse aumento será gradual e depende de reforços no sistema de distribuição. Dos 1.200 MW, o Paraguai deverá usar a partir de novembro entre 250 e 300 MW. Atualmente, a demanda do mercado paraguaio de energia elétrica, em horário de pico, gira em torno de 2,5 mil MW.[www.itaipu.gov.br].

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2020 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira