Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

17/10/2013 - 08:08

América Latina e Caribe atraem parcela cada vez maior do Investimento Global em Energia Limpa

Com a promoção do uso de energia renovável e o fortalecimento de políticas específicas pelos países emergentes da América Latina e do Caribe, financiamento se diversifica na região.

Os 26 países da América Latina e do Caribe são responsáveis por uma parcela crescente do investimento global em energia limpa, conforme os governos da região reforçam o apoio a políticas e as cadeias de abastecimento locais se expandem, de acordo com o Climatescope 2013, recém-lançado relatório do Fundo Multilateral de Investimentos (FUMIN), membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em parceria com a Bloomberg New Energy Finance (BNEF).

Com pesquisa da BNEF e patrocínio do FUMIN, o Climatescope é um estudo anual, um ranking e uma ferramenta online interativa com foco no mercado de energia limpa. Lançado em 2012, o relatório classifica os países da América Latina e do Caribe conforme sua capacidade de atrair investimentos em energia de baixo carbono. Neste ano, os países foram classificados segundo 39 indicadores categorizados em quatro parâmetros gerais: (i) “Cenário Favorável”, (II) “Investimento em Energia Limpa e Clima”, (III) “Mercado de Baixo Carbono e Cadeias de Valor da Energia Limpa” e (IV) “Atividades de Gerenciamento da Emissão de Gases de Efeito Estufa”.

Ao todo, a região da América Latina e do Caribe capturou 6% do total de US$ 268.7 bilhões investidos mundialmente em energia limpa em 2012 – em 2011, a parcela foi de 5,7%. A energia limpa abrange a energia eólica, a energia solar, a biomassa, os biocombustíveis e as pequenas centrais hidrelétricas, geotérmicas e de geração de outras energias renováveis. O investimento na região caiu 3,8% entre 2011 e 2012, queda muito menor que o recuo global de 11% registrado no mesmo período.

“As políticas específicas para o setor estão se expandindo e se fortalecendo na América Latina e no Caribe, e as informações fornecidas pelo Climatescope estão ajudando a reduzir as lacunas de informação e a catalisar novos investimentos em energia limpa”, disse Nancy Lee, gerente geral do FUMIN. “Os custos cada vez menores para o uso de tecnologias limpas, como as energias solar e eólica, em conjunto com um clima melhor para investimentos mostram que a geração de energia limpa na região agora é verdadeiramente acessível. O FUMIN continuará a apoiar o progresso da América Latina e do Caribe”.

Responsável pela pesquisa do Climatescope, a Bloomberg New Energy Finance acompanhou políticas de energia limpa em toda a América Latina e o Caribe. No final de 2012, a BNEF identificou 110 políticas, contra 80 que existiam ao final de 2011.

O Climatescope 2013 também registrou um aumento dramático na diversificação dos destinos de investimento na região.

“O crescimento do investimento em energia limpa fora do Brasil em 2012 foi significativo”, disse Michael Liebreich, diretor executivo da Bloomberg New Energy Finance. “O financiamento total fora do maior país da América Latina aumentou 45% em 2012, contra alta de 17% em 2011, com destaque para as altas taxas de crescimento do Chile, da República Dominicana, do México e do Uruguai, entre outros”.

Ainda assim, o Brasil teve a maior pontuação geral do Climatescope, com a força de sua classificação nos parâmetros de“Mercado de Baixo Carbono e Cadeias de Valor da Energia Limpa” e “Atividades de Gerenciamento da Emissão de Gases de Efeito Estufa”.Este é o segundo ano em que o Brasil fica no primeiro lugar do ranking geral do Climatescope.

O Chile subiu três posições, conquistando a segunda posição do ranking geral, depois que seus investimentos em energia renovável mais do que quadruplicaram, atingindo US$ 2,1 bilhões, entre 2011 e 2012.

A Nicarágua, que tem o segundo menor PIB per capita da região, terminou na terceira colocação do ranking geral, com forte destaque nos parâmetros “Cenário Favorável” e “Investimento em Energia Limpa e Clima”.

A pontuação máxima do Climatescope para uma nação caribenha foi conquistada pela República Dominicana, que viu seus investimentos em energia limpa duplicarem no período, chegando a US$ 645 milhões. Isso ajudou o país a avançar até sete posições no ranking de 2012 – mais do que qualquer outro país do Climatescope.

Outras conclusões importantes do Climatescope 2013: .As propostas para contratos de energia limpa estão em ascensão e prenunciam um maior uso no futuro;

. Oito países têm leis de medição bidirecional de energia, que permitem a autogeradores que devolvam a energia excedente para a rede;

. Os preços da energia no varejo permanecem elevados em toda a região, de maneira geral, oferecendo oportunidades significativas para a implantação das energias renováveis ;

. A cadeia de valor da energia limpa na região está em expansão, com 35 dentre os 40 segmentos da cadeia em seis setores de energias renováveis agora ocupados;

. Existem 927 projetos de compensação de carbono na região, registrados de acordo com diferentes padrões. Mais da metade dos projetos diz respeito à geração de energia.

O Climatescopese tornará global - Com o apoio do Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DFID) do Reino Unido e da Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID) dos Estados Unidos, o Climatescope vai ampliar a cobertura do estudo para 78 países e subdivisões nacionais na América Latina, no Caribe, na África e na Ásia. O Climatescope Global tem data de lançamento prevista para o segundo semestre de 2014.

O Fundo Multilateral de Investimentos (FUMIN), membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi fundado por 39 países doadores e apoia o desenvolvimento liderado pelo setor privado que beneficia as populações pobres e de baixa renda, seus negócios, suas fazendas e suas famílias. O objetivo é dar-lhes ferramentas para ampliar a renda: acesso aos mercados e criação das capacidades para competir nesses mercados, acesso a financiamento e acesso a serviços básicos, incluindo tecnologia verde. Uma missão fundamental do FUMIN é atuar como um laboratório para o desenvolvimento, experimentando, inovando e assumindo riscos a fim de construir e apoiar modelos de negócios bem-sucedidos para micros, pequenas e médias empresas.

A Bloomberg New Energy Finance (BNEF) é o principal provedor mundial independente de notícias, informações, pesquisas e análises sobre a transformação do setor de energia. A BNEF tem um quadro de funcionários de mais de 200 pessoas, com escritórios em Londres, Washington D.C., Nova York, Tóquio, Pequim, Nova Déli, Cingapura, Hong Kong, Sydney, Cidade do Cabo, São Paulo e Zurique.

A Bloomberg New Energy Finance trabalha com os principais investidores, empresas e governos do mundo inteiro. Seus serviços Insight proporcionam análises profundas sobre as seguintes indústrias e mercados: transporte avançado, bioenergia, captura e armazenamento de carbono, mercados de carbono, energia digital, eficiência energética, armazenamento de energia, gás, energia geotérmica, mercados de energia hidrelétrica e marinha, energia nuclear, mercados REC e energias solar, hídrica e eólica.

O Industry Intelligence Service da Bloomberg New Energy Finance proporciona acesso ao banco de dados de investidores e investimentos em energia limpa e carbono mais confiável e abrangente do mundo. O News and Briefing Service é o principal serviço mundial de notícias focado em investimentos em energia limpa. O grupo também faz pesquisas customizadas para clientes e realiza eventos de networking de alto nível, incluindo a BNEF Summit, o principal evento sobre o futuro da indústria de energia.| BID.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2020 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: