Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

30/06/2011 - 11:43

CPFL anuncia projetos para tornar sua rede mais eficiente com a IBM Brasil

Gigante de energia investirá em tecnologia para tornar sua rede mais inteligente.

São Paulo - A holding CPFL Energia anuncia novos projetos para tornar sua rede mais inteligente e melhorar ainda mais a eficiência operacional de seus serviços. São eles: Telemedição, Mobilidade e Operação, que serão implementados com consultoria da IBM Brasil. Os projetos fazem parte da estratégia de investimentos em soluções inteligentes, prioridade de negócio desde 2009, momento em que a CPFL Energia passou a fazer parte da Global Intelligent Utility Network Coalition (GIUNC) – maior coalizão global de redes inteligentes (SmartGrid), liderada pela IBM, que representa 150 milhões de consumidores de energia no mundo.

Os benefícios desses projetos são a identificação mais rápida de fraudes, falhas e perdas de energia; maior rapidez e automatização na conexão e desconexão de serviços; redução do número de ocorrências na rede, redução do tempo médio de atendimento, além de poder conhecer, em tempo real, o consumo e perfil de carga de seus consumidores, aumentando ainda mais a qualidade dos serviços prestados aos seus clientes.

Inteligência digital na rede da CPFL- No primeiro projeto, de Telemedição do Grupo A (clientes industriais e comerciais), a CPFL implantará 25 mil medidores inteligentes até o final de 2012. Para avaliar as necessidades de comunicação, a empresa conta com a consultoria da IBM, que vai definir a infraestrutura necessária para executar a automação da medição, além de propor uma nova arquitetura de comunicação da rede operativa da CPFL que atenda aos novos requerimentos demandados por redes elétricas Inteligentes (SmartGrid).

Segundo o executivo da CPFL, Rubens Bruncek Ferreira, investir em SmartGrid é mais que uma tendência, é uma necessidade de mercado: “A escolha da IBM como parceira nesses projetos deve-se principalmente à experiência da empresa no mundo, onde conta com 150 projetos-referências baseados nas melhores práticas de mercado”.

“Cada medidor instalado, que estará conectado online, servirá como um sensor de rede para auxiliar o centro de operações a identificar eventuais falhas e ocorrências. Além disso, os técnicos poderão fazer manutenção preventiva remotamente, evitando desperdício de tempo e deslocamento. O projeto pode vir a ser implantado no futuro em clientes seletos do grupo B, como grandes condomínios”, informa Bruncek.

O segundo projeto é o de Mobilidade para otimização da equipe de campo. Atualmente, a CPFL orienta essas equipes por rádio, o que demanda muito tempo e dificulta o controle sobre a localização de todas as equipes. “Muitas vezes, há uma equipe próxima ao problema e acabamos solicitando o deslocamento de outros profissionais. Com esse projeto, passaremos a enviar as informações para um Palm Top, incluindo mapas, fotos e instruções, e o sistema permitirá obter a localização exata das equipes. Com informações precisas, conseguiremos tomar decisões que resultarão em redução de tempo e custos”, completa o executivo da CPFL.

Iniciada em 2010, a terceira iniciativa de rede inteligente da CPFL é a Operação, e trata da automação das chaves da rede de distribuição. O projeto prevê a instalação de chaves que, além de fazer suas funções rotineiras de proteção e religação, possuem um módulo de comunicação conectado ao centro de operação que permite ao operador, em casos de falhas na rede, identificar e isolar o trecho com problema e executar manobras de forma a restabelecer a energia mais rapidamente. “No ano passado, foram instaladas 1.000 chaves, este ano estamos instalando mais 1.000 unidades nas empresas da holding, e assim sucessivamente até chegarmos ao número de 5.000 chaves instaladas”, explica Bruncek. Posteriormente haverá uma atualização do software, que permitirá que os isolamentos e as reconfigurações da rede sejam feitos pela solução de forma automática, sem necessidade de interferência e análise do operador.

“Os projetos de SmartGrid demonstram o lado visionário da CPFL. Adicionar inteligência digital ao seu modelo de negócios é contribuir não só para sua eficiência operacional, mas principalmente para um planeta mais sustentável”, declara o diretor do segmento de Energia da IBM Brasil, Newton Tanaka. “O conceito de rede inteligente (SmartGrid) é fator-chave para os negócios da CPFL, inclusive no que tange novas formas de produzir energia.”

SmartGrid no mundo- Os projetos de redes inteligentes são comuns na Europa e Estados Unidos e nasceram a partir da preocupação em diminuir os gases de efeito estufa. A meta mundial é que até 2020 o mundo consiga reduzir o consumo de energia e aumentar as fontes de energias renováveis em 20%. Com soluções de redes inteligentes é possível obter eficiência operacional, evitar perdas e desperdícios, gerenciar o uso de energia nos momentos de pico e utilizar as horas de baixo consumo para carregar baterias de carros elétricos, por exemplo. Além disso, há possibilidade de trabalhar com tarifas diferenciadas para incentivar redução do consumo de energia e a utilização de energias renováveis, como a eólica e a solar.

O mercado mundial de consumo de energia deve crescer 49% de 2007 até 2035, de acordo com o relatório International Energy Outlook 2010 (http://www.eia.doe.gov/oiaf/ieo/highlights.html). Nos países emergentes, chamados não-OECD (Organization for Economic Cooperation and Development), a demanda de energia deve aumentar em 84% contra 14% nos mercados maduros (OECD).

Global Intelligent Utility Network Coalition (GIUNC)- Em 2007, a IBM formou uma coalizão de corporações inovadoras do segmento de energia para acelerar a adoção de tecnologias e soluções de SmartGrid globalmente e mover a indústria em direção ao seu maior desafio de transformação. A Global Intelligent Utility Network Coalition busca mudar a forma como energia é gerada, distribuída e utilizada, adicionando inteligência digital aos sistemas para reduzir interrupções e falhas, gerenciar demanda e integrar fontes de energia renovável.

Atualmente, além da IBM, fazem parte da GIUNC as empresas: Alliander (Países Baixos), CenterPoint Energy (USA), CPFL (Brasil), DONG Energy (Dinamarca), Essential Energy (antiga Country Energy, Austrália), Eletric Power Company (KEPCO, da Coréia do Sul), ERDF (França), North Delhi Power Limited (NDPL,da Índia), Oncor Pepco Holdings (USA), PEPCO Holdings (USA), Progress Energy (USA), Sempra Energy (USA), Tokyo Electric Power Company (TEPCO, Japão). [ www.cpfl.com.br| www.ibm.com/br].

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2020 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: