Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

23/04/2010 - 09:14

Porto de Itajaí recebe o maior navio de sua história


O complexo Portuário do Itajaí recebe o maior navio de sua história. O cargueiro Santa Rafaela, da empresa armadora chilena CSAV e com 282 metros de comprimento, atracou no dia 21de abril (quarta-feira), no berço 1 do Terminal de Contêineres do Vale do Itajaí (Teconvi/APM Terminals) e zarpa nesta quinta-feira. Em Itajaí o Santa Rafaela movimentou 935 contêineres, contêineres, sendo 465 de importação e 470 de exportação. O navio tem capacidade para 4.112 TEU (Twenty-foot Equivalent Unit – unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés), 1,3 mil tomadas reefer e faz parte do serviço Asax, que conecta a Ásia a Costa Leste da América do Sul.

O diretor comercial do Porto de Itajaí, Robert Grantham, diz que a atracação desse cargueiro representa uma quebra de paradigma, uma vez que o Complexo estava limitado a operar até então com navios de até 277 metros de comprimento. “A atracação do Santa Rafaela foi experimental, mas comprovou que temos condições de operar com navios desse porte”, diz Grantham.

O prático Alexandre da Rocha, que foi um dos responsáveis pelas manobras, diz que não houve dificuldades nas operações, mas sim a necessidade de cuidados especiais. “Com o aumento no tamanho das embarcações, aumentam proporcionalmente as necessidades de controle da velocidade e os cuidados com as curvas, o que realizamos com a utilização dos rebocadores”, explica Rocha.

Ele acrescenta que esta foi a primeira atracação no Porto de Itajaí em que foram utilizados simultaneamente três rebocadores azimutais e diz que esse tipo de procedimento será cada vez maior, uma vez que navios de maior porte estão entrando no mercado brasileiro. “Mas esse aumento nos tamanhos dos navios torna as obras de dragagem dos canais de acesso e bacia de manobras do Complexo Portuário para menos 14 metros cada vez mais necessárias. “Navios com 300 metros de comprimento são cada vez mais frequentes nos portos brasileiros, mas eles necessitam de calado de 13 metros, o que é uma limitante do Porto de Itajaí.”

Para o superintendente do Porto de Itajaí, Antônio Ayres dos Santos Júnior, o empenho do Teconvi/APM Terminals, do armador CSAV, da Praticagem e da Delegacia da Capitania dos Portos de Itajaí foi fundamental para que o Porto de Itajaí recebesse o Santa Rafaela. Ayres destaca que a atracação de um navio com mais de 277 metros de comprimento mostra que o Complexo de Itajaí continua inserido no mercado global da navegação e abre grandes perspectivas para o futuro.

“Com a conclusão das obras de reconstrução dos berços e a dragagem de aprofundamento, teremos condições operacionais bem mais favoráveis para os grandes navios e estaremos em pé de igualdade com os principais portos da América do Sul no que diz respeito às operações com grandes navios”, diz Ayres.

O vice-presidente para a Costa Leste da América do Sul do Grupo CSAV, Davi Giacomini, diz que a atracação desse navio em Itajaí comprova a capacidade operacional do Porto e que é fundamental para que a empresa armadora dê continuidade ao serviço na cidade. “Foi uma grande conquista comercial e o primeiro grande passo para que continuemos com o Asax, o maior da CSAV, no Porto de Itajaí, com que, juntamente com o Teconvi/APM Terminals, tem grande parceria com o Grupo CSAV”, diz.

Giacomini afirma que essa ação somente foi possível devido ao grande empenho e entrosamento da Autoridade Portuária de Itajaí com a praticagem, Capitania dos Portos, Conselho de Autoridade Portuária (CAP), Teconvi/APM Terminals e armador. “São ações como essa que mostram o empenho em prol do desenvolvimento a atividade portuária na cidade e região”, acrescenta Giacomini.

Homenagem – A importância da atracação do navio CSAV Santa Rafaela foi reconhecida pela Superintendência do Porto de Itajaí, que homenageou o comandante Peter Schunke com um brasão do Porto, entregue por Robert Grantham. “Essa atracação é para nós um fato histórico e, principalmente, mostra para o mercado que temos plenas condições de operar navios desse porte”, conclui. | João Henrique Baggio

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2019 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: