IMPRIMIR

27/07/2016 - 07:21

Biossegurança na depilação: principal assunto no congresso de depilação

Saiba identificar quais os riscos que encontramos dentro de uma sala de depilação.

De Hepatite à HPV, são inúmeros os riscos para a saúde relacionados ao ritual de depilação. Apesar da vigilância da Anvisa, profissionais ainda arriscam a saúde de seus clientes em busca de pequenos lucros. Esta é uma discussão importante e que será amplamente debatida no 6° Congresso de Depilação Beauty Fair, que acontece dia 12 de setembro, e que reunirá cerca de 250 profissionais.

“Queremos que cada congressista se torne um embaixador das boas práticas na depilação, multiplicando as informações entre suas clientes e demais profissionais do setor. Somente com educação e engajamento conseguiremos inibir a atuação dos maus profissionais”, acredita Daniela Pontes, coordenadora técnica do Congresso.

A reutilização da cera é somente um dos problemas encontrados nas salas de depilação. Deixar de trocar o palito e não esterilizar pinças e tesourinhas, por exemplo, também podem transmitir doenças. “Conhecemos casos de meninas virgens que contraíram o HPV e não descartamos a possibilidade da contaminação pela depilação”, alerta Daniela.

Transmissão de doenças —Muitas doenças podem ser transmitidas nos salões de beleza, incluindo as sexualmente transmissíveis (DST), ainda altamente prevalentes no Brasil, tais como as verrugas causadas pelo papiloma vírus humano (HPV), as hepatites B e C e o vírus causador da imunodeficiência humana adquirida (HIV). Isso porque a temperatura de derretimento da cera não é suficiente para eliminar alguns tipos de microrganismos como os fungos e vírus, por exemplo, os fungos que causam as micoses e os vírus da hepatite B e da AIDS.

Boas práticas na depilação:

. Lavar as próprias mãos e dos clientes antes e depois do atendimento;

. Utilizar pinças e palitos descartáveis ou pinças e tesourinhas esterilizadas a cada cliente;

. Trocar o lençol descartável a cada cliente;

. Higienizar as macas com álcool entre um atendimento e outro;

. Usar cera de depilação que traga no rótulo identificação do produto, procedência, validade e número de registro no Ministério da Saúde ou Anvisa;

. Manter sala de atendimento e banheiros asseados.

Procedimentos inaceitáveis:

. Reaproveitamento do palito (a menos que seja uma espátula metálica que tenha sido esterilizado adequadamente em autoclave conforme recomendações da Anvisa), mas ressaltando que NÃO pode voltar a espátula na termocera depois que passou na pele da cliente.

. Reaproveitamento da cera

. Má higienização do local de depilação e ausência de privacidade

. Não realização de higienização das mãos (pelo profissional) antes do procedimento

. Não-uso de equipamentos de proteção individual (jaleco limpo, máscara, touca e luva)

. Não-uso de ceras depilatórias com registro na ANVISA

. Ausência de locais adequados para a limpeza de materiais e para a eliminação de resíduos advindos do processo depilatório (cera utilizada, por exemplo)

. Não-elaboração de um manual de rotinas para o processo de depilação

O evento também contará com palestras sobre design e mega hair de sobrancelhas, a importância das redes sociais na promoção dos serviços, banho de lua, tratamento para foliculites e depilação íntima.

. 6º Congresso de Depilação, dia 12 de setembro de 2016. Horário do Congresso: 10h às 18h. http://www.beautyfair.com.br/feira-beauty-fair/congressodepilacao. 12º Beauty Fair – Feira Internacional de Beleza Profissional, de 10 a 13 de setembro de 2016, na Expo Center Norte – São Paulo.Evento exclusivo para profissionais do setor. |www.beautyfair.com.br/feira.

Copyright 2006 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.