Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT RSS BLOGS BOLETIM TV FATOR BRASIL LINKS
Busca: OK
CANAIS

09/01/2009 - 09:21

Prefeito Eduardo Paes visita o Parque Tecnológico do Rio e anuncia chegada das empresas Schlumberger e FMC


Estas empresas vão investir R$ 100 milhões em centros de tecnologia.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes anunciou no dia 8 de janeiro (quinta-feira), a instalação de duas novas grandes empresas no Parque Tecnológico do Rio, localizado no campus da UFRJ, Ilha da Cidade Universitária. São elas, a Schlumberger e FMC. A expectativa é que sejam criados mais de 600 empregos de alta qualificação técnica e inúmeras oportunidades de intercâmbio da área corporativa com o mundo acadêmico. O anúncio foi feito pelo prefeito, logo após ter participado da reunião do Conselho Diretor que aprovou o ingresso das duas novas companhias. “A chegada dessas empresas só confirmam que a principal vocação da cidade do Rio de Janeiro é ser o celeiro do conhecimento brasileiro”, afirmou Eduardo Paes. A reunião do Conselho foi presidida pelo reitor da universidade, Aloísio Teixeira, para quem “a parceria com a cidade é muito importante para viabilizar a expansão da universidade e tornar o Rio de Janeiro muito melhor”.

A Schlumberger Serviços de Petróleo, é uma empresa multinacional, especializada na área de petróleo e gás e prospecção geofísica. Fundada em 1912 está presente em mais de 80 países. Seu compromisso é com a inovação tecnológica.

A FMC Technologies do Brasil, empresa multinacional, que há mais de 30 anos fabrica uma variedade de equipamentos para sistemas submarinos de produção de óleo e gás em águas profundas. Um de seus objetivos é incrementar o desenvolvimento de novas tecnologias, reduzindo a dependência externa através da criação de um Centro de Tecnologia Submarina no Parque do Rio.

O diretor do Parque, Maurício Guedes, que participou de todo o processo de negociação da vinda das empresas, lembrou que “a instalação de grandes corporações é a etapa de maturação de um processo iniciado desde o início da década de 70”. O Parque, que compreende uma área de 350mil m² na Ilha da Cidade Universitária, “tem o objetivo de transformar resultados de pesquisa em empreendimentos inovadores, gerar empregos de alto valor agregado, modernizar e tornar mais competitiva a economia carioca”, explica Maurício.

“Essa é a linha determinada pelo prefeito, de transformarmos o Rio de Janeiro na capital da ciência e tecnologia do Brasil e, talvez, da América Latina”. Andrade afirmou que os dois centros de desenvolvimento tecnológico, que serão construídos pelas novas empresas do parque, representarão a geração de 500 empregos diretos durante as obras. As secretarias de Ciência e Tecnologia e de Obras do município vão definir em conjunto o projeto de engenharia de intervenção e os custos da nova fase de urbanização do parque, para que o prefeito possa dar sua autorização para o início das obras.

Estiveram presentes na reunião do Conselho Diretor, além do secretário de Ciência e Tecnologia do Município, Rubens Andrade, o reitor da UFRJ, Aloísio Teixeira, o diretor do Parque Tecnológico do Rio, Maurício Guedes, Pró-reitora da UFRJ, Ângela Uller, Sergio Malta – Sebrae/RJ, Marcos Monteiro-Sebrae/RJ, Bruno Freire da Firjan, Fernando Sandroni da Firjan, Carlos Tadeu Fraga – Cepes-Petrobras, Aquilino Martinez, vice-presidente da Coppe/UFRJ,–, Raymundo Oliveira da Fundação José Bonifácio, Walter Issamu Suemitsu do Centro Tecnológico da UFRJ, Sergio Teixeira do Governo do Estado do Rio.

Novas obras e expansão do Parque - O Parque está vivendo hoje um ritmo frenético de obras, com diversas edificações em construção, como laboratórios, restaurante, centros de excelência e empresas concluídos e em construção como: a ESSS – Engineering Simulation and Software, especializada na área de óleo e gás, que em 2008 ganhou o prêmio Finep de inovação; a Ilos-Instituto de Logística e Supply Chain, empresa de logística que nasceu na Coppead/UFRJ; e a Br Distribuidora que está montando um laboratório específico sobre técnicas de pavimentação e novos tipos de asfaltos. LAB-Oceânico, CE-TIC – Centro de Excelência de Tecnologia da Informação e Comunicação, MP - Módulo de Prototipagem, Restaurante Couve-Flor, CEGN – Centro de Excelência de Gás Natural, LAB-COG – Laboratório Cognitivo de Visualização, NUTRE – Núcleo de Tecnologias de Recuperação de Ecossistemas, LEAD – Laboratório de Aplicação e Desenvolvimento em Instrumentação e Automação, Centro de Capacitação Futura.

Grande parte dessas obras são recursos vindo de estatais como a Petrobras e a Finep. Hoje, o parque abriga em torno de 20mil metros quadrados(m²) de área construída e em construção, com investimentos em torno de R$ 70 milhões. Com a chegada da Schlumberger, vai ocupar mais 8mil m² de área de terreno e a FMC vai ocupar 20mil m² de área do terreno .

O número de empresas e laboratórios já instalados no Parque soma hoje em 20 unidades, sendo 17 empresas e três laboratórios.

Mais de quatro mil empregos gerados - Até 2017, o Parque terá mais de 120 mil m² de área construída (nos 347 mil m² de área total do terreno). A estimativa é de que quatro mil pessoas trabalhem em cerca de 220 empresas sediadas no local, incluindo cerca de cinqüenta abrigadas em Incubadoras de Empresas.

As empresas sediadas no Parque poderão construir sede própria ou alugar salas em um dos Centros de Negócios planejados. Um Centro de Serviços facilitará a interação entre o pessoal das empresas e os alunos, pesquisadores e funcionários da Universidade.

Foto: (esq./dir.) Secretário de Ciência e Tecnologia do Município, Rubens Andrade, o prefeito Eduardo Paes e o o reitor da UFRJ, Aloísio Teixeira

Enviar Imprimir
© Copyright 2006 - 2014 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira