Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

18/02/2021 - 10:17

Simpósio IEA-IEF-OPEP sobre Perspectivas de Energia discute segurança energética global

E estabilidade de mercado.

Riade, Arábia Saudita — A Agência Internacional de Energia (IEA), o Fórum Internacional de Energia (IEF) e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) sediaram no dia 17 de fevereiro (quarta-feira), o 11º Simpósio IEA-IEF-OPEP sobre Perspectivas de Energia para examinar o impacto do Pandemia de Covid-19 nos mercados globais de energia e as perspectivas para a segurança energética global e estabilidade do mercado.

Organizado pelo IEF, o simpósio revisou as perspectivas de curto, médio e longo prazo da IEA e da OPEP, que são analisadas no recém-lançado Relatório de Comparação de Perspectivas do IEF-RFF. Produzido pelo IEF e Resources For the Future (RFF), o relatório postado no site do IEF destaca uma reinicialização nas perspectivas de energia após o maior choque de demanda da história no ano passado.

— O impacto da pandemia na demanda de energia não tem paralelo na história dos mercados de energia — disse o secretário-geral do IEF, Joseph McMonigle. — O simpósio explorou quais políticas governamentais e respostas da indústria são necessárias para salvaguardar a estabilidade de longo prazo dos mercados de energia—.

Entre as principais descobertas do relatório, está a de que a pandemia levou à contração da demanda de petróleo em 9-10 milhões de barris por dia em 2020, mas espera-se que se recupere em 5-6 milhões de barris por dia este ano. A pandemia também levou a uma revisão para baixo no crescimento econômico anual de longo prazo em até 0,8 pontos percentuais em algumas perspectivas, observou o relatório.

O Simpósio faz parte de um programa mais amplo de trabalho conjunto das três organizações originado do 12º Fórum Internacional de Energia realizado em Cancún, México, em março de 2010. O Simpósio foi transmitido ao vivo e aberto ao público.

O Dr. Fatih Birol, diretor executivo da IEA, disse: — O diálogo e a cooperação serão cada vez mais vitais para orientar o sistema de energia global em direção a um futuro adequado para as gerações de amanhã, onde a energia é abundante, acessível, limpa e usada para sustentar crescimento e desenvolvimento—.

Em seu discurso de abertura do Simpósio, Mohammad Sanusi Barkindo, Secretário Geral da OPEP, reconheceu as contribuições vitais dos países da OPEP e não OPEP que participaram da Declaração de Cooperação (DoC) para ajudar a estabilizar o mercado de petróleo no ano passado, e a importância de um diálogo estreito com o G20, a IEA e o IEF no apoio aos esforços de reequilíbrio do mercado. Ele também enfatizou a necessidade de investimento contínuo na indústria do petróleo para garantir a estabilidade do abastecimento e ajudar a manter uma abordagem inclusiva para lidar com as mudanças climáticas, a transição energética e os desafios de acesso à energia. —Esses investimentos são essenciais tanto para produtores quanto para consumidores —afirmou.

—Em nosso mundo imprevisível e em rápida mudança, buscamos contribuir para uma maior estabilidade, mais previsibilidade e maior transparência — disse o secretário-geral da OPEP ao Simpósio. —Buscamos constantemente melhorar nossa capacidade de fazê-lo, pois acreditamos que isso nos ajudará a construir um futuro melhor, que atenda aos interesses de gerações de produtores e consumidores—.

Os palestrantes do Simpósio incluíram Sua Alteza Real o príncipe Abdulaziz bin Salman Al Saud, MINISTro de Energia da Arábia Saudita; Sr. McMonigle; Dr. Birol; Sr. Barkindo; SE Shri Dharmendra Pradhan, ministro do Petróleo, Gás Natural e Aço, Índia; HE Timipre Sylva, ministro de Estado dos Recursos Petrolíferos, Nigéria; Yury Sentyurin, secretário-geral, Fórum dos Países Exportadores de Gás (GECF); Francesco La Camera, diretor-geral, Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA); Vicki Hollub, CEO da Occidental Petroleum; Felipe Bayón Pardo, CEO da Ecopetrol; e Spencer Dale, economista chefe do Grupo da BP.

O secretário-geral do GECF, Sentyurin, disse: —Apesar da pandemia, os membros do GECF demonstraram excelente disciplina e resiliência no cumprimento ininterrupto de suas obrigações para com todas as partes contratantes—.

—É muito cedo para dar baixa nos hidrocarbonetos, pois eles continuarão sendo a fonte dominante na matriz energética global em um futuro próximo— acrescentou.

Outras descobertas importantes no Relatório de comparação de perspectivas do IEF-RFF incluem: Espera-se que os combustíveis fósseis dominem a matriz energética primária até 2040, mesmo em cenários em que os países cumpram as metas climáticas do Acordo de Paris

A lacuna entre os cenários do caminho atual e os cenários alternativos é grande e cresce anualmente, sinalizando que o cenário de emissões zero de carbono pode não ser alcançado.

Espera-se que a demanda por petróleo permaneça estável no longo prazo globalmente, embora a demanda provavelmente se desloque dos países desenvolvidos para os em desenvolvimento.

Perspectivas divergentes sobre a importância esperada dos hidrocarbonetos sugerem que novas tecnologias, como captura, uso e armazenamento de carbono (CCUS), poderiam ter um papel maior a desempenhar.

Nuclear, hídrica, eólica e solar serão responsáveis ??pela maior parte do crescimento do setor elétrico, enquanto o carvão deverá diminuir e o gás natural enfrenta um futuro incerto como combustível de transição.

As crescentes ambições climáticas em direção à COP26 terão implicações significativas para o setor de energia, que responde por três quartos das emissões globais.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira