Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

01/05/2020 - 09:30

Alterações gástricas e intestinais em tempos de isolamento social

Muitas pessoas estão ansiosas com o isolamento social imposto a população para o combate a pandemia de Covid 19. Com isso há um aumento da ingestão de alimentos processados e gordurosos A alimentação inadequada, aliada a falta de exercício ocasiona algumas alterações gástricas e intestinais,como o aumento de casos de prisão de ventre, gastrite e refluxo.

Para o bom funcionamento do intestino, alguns exercícios de alongamento podem ser úteis para controle de ansiedade e respiração assim como ajudar na regularização de hábito intestinal. Eles podem ser feitos em casa e em momentos em que a pessoa se sentir mais ansiosa. O consumo de líquidos é primordial para o bom funcionamento de todo o organismo. Uma média de 3 litros de por dia, preferencialmente água. A ingesta de fibras é importante para o intestino, mas desde que sempre esteja acompanhada pelo consumo de líquidos, caso contrário, o bolo fecal ficará endurecido e de difícil eliminação.

A dieta, principalmente neste momento, deve ser leve e que as pessoas dêem preferência a alimentos na forma mais próxima que veio da natureza. Não ingerir bebidas gasosas, especialmente refrigerantes e nem bebidas alcoólicas. Evitar substâncias que contenham cafeína : café, chá mate, chá preto, chocolate. Evitar gorduras, farinhas brancas e produtos industrializados, que passem por algum processo de refinamento. A maior parte das pessoas com sintomas de constipação e sintomas gástricos está relacionada a hábitos alimentares inadequados.

Esses hábitos errados e o estresse propiciam ao aumento de casos de refluxo, para quem já possui o problema e que se não tratado acarreta problemas respiratórios, já que o suco gástrico pode chegar a garganta, ouvido e nariz nos casos mais acentuados.

No caso de agravamento de sintomas tipo dor no estômago, azia é má digestão, é importante que as pessoas entrem em contato com seus médicos para uso de uma medicação que trará alívio e nunca se automediquem.

. Por: Dra Elisa Lúcia de Oliveira Silva, Gastroenterologia da Clinica Neurovida.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira