Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

30/10/2019 - 08:08

Civilização em marcha ré

Estamos enfrentando um grande declínio civilizatório que traz a marca da crise econômica com seus efeitos que a tudo atinge. Uma crise civilizatória mundial, nitidamente visível no Brasil devido à falta de adequado preparo para a vida, que se agrava com a falta de responsabilidade de homens e mulheres na geração e preparo dos filhos. A decadência está penetrando também pela falsa cultura, uso de drogas, intelectuais que insistem em justificar a destruição, artistas que defendem uma vida desregrada e promíscua desvalorizando a mulher, a mãe, e que zombam da beleza genuína.

O Neoliberalismo comprometeu a cultura e as individualidades. Nos regimes de Estado forte ocorreu o mesmo, embora tenha havido alguma trava no avanço da libertinagem e declínio da moralidade. A causa essencial dessa decadência não está nos sistemas, mas sim na humanidade que os criou com as imperfeições decorrentes de não terem se orientado pela naturalidade da Criação, e sim pelas teorias engendradas pelo cérebro humano.

A ecologia deveria convergir para o estudo da natureza e suas leis para que os homens, em suas atividades, não criassem, com o seu lamentável imediatismo, o caos nos continentes e nos oceanos como ocorreu no grande mar de lixo que se formou no Caribe, mostrado na reportagem da BBC. Isso é consequência da falta de planejamento e do divórcio da humanidade com as leis da natureza.

Pesquisadores como Daniel Goleman já perceberam que não basta ter cultura e bom raciocínio; é preciso lucidez, inteligência emocional, intuição, vivências; sem isso não é possível ser bom estadista, contornar as insatisfações e gerar progresso. É preciso que a equipe do governo tenha o mesmo objetivo visando o bem do país que deve estar acima dos interesses particulares e das vaidades pessoais.

A globalização, por sua vez, colocou em confronto direto as economias capitalistas de livre mercado com o capitalismo gerido pelo Estado forte, afetando toda a estrutura de produção e salários. Esse fato, somado ao açambarcamento das riquezas da natureza por uma minoria, gerou o agravamento da desigualdade como em nenhuma outra época. Produzir é o que gera atividades, empregos, renda, circulação de dinheiro. Mas o capitalismo de livre mercado foi buscar a mão de obra mais barata do capitalismo de Estado com câmbio administrado, e no Brasil deu a confusão agravada pela corrupção.

A intervenção dos burocratas na economia sempre acarreta consequências negativas para o futuro. Como reativar a economia na atual matriz produtiva global desequilibrada? Os incentivos ao consumo que o governo tenta pôr em prática acabam transferindo empregos e divisas para os países que fabricam produtos industrializados, sem impulsionar as indústrias locais, que foram detonadas pela abertura comercial desordenada, juros elevados, câmbio valorizado. O desequilíbrio na produção, nas contas públicas e na dívida explosiva têm de ser equacionados ou a tendência de precarização geral permanecerá em curso.

Há elevada liquidez no mercado global e muitas indagações. O que impulsiona os juros para baixo se em geral os detentores de dinheiro querem renda? Se os juros tendem a zero, qual será o movimento do dinheiro? Imóveis, Bolsas, ou o que? Há risco de os ativos escaparem da realidade indo para o alto, ao contrário dos juros? As pessoas que possuem dinheiro consumirão mais? Os governos tomarão mais empréstimos?

O Brasil enfrenta as consequências da abertura comercial atabalhoada, da política de juros elevados, educação em declínio e expansão do uso de drogas, resultando na desvalorização dos ativos, valorização do real, importação de tudo, desindustrialização, perda de empregos e renda. A desigualdade nunca foi enfrentada desde 1889. O que poderemos fazer para educar melhor, produzir mais, progredir de fato?

Temos de sair da estagnação. A desfaçatez tomou conta do país e a decadência se infiltrou. Poucos querem enxergar a triste realidade. Desvia-se a atenção do caos deixando o barco afundando. A perda da idoneidade no setor público e na humanidade em geral é um fato inegável, arruinando países em suas contas e na ampliação da degradação moral e material. Em décadas de irresponsabilidades e paliativos, a reparação está difícil e há risco de volta da balbúrdia.

. Por: Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). | E-mail: [email protected]; Twitter: @bidutra7

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2020 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: