Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

03/07/2018 - 10:31

Como identificar um relacionamento tóxico


A Relação Tóxica é uma relação disfuncional: é um modo de relacionamento amoroso ou não, onde se observa uma forma assimétrica de se relacionar. Verifica-se uma tentativa de poder sobre o outro, ou seja, a pessoa é subjugada. É uma relação empobrecida do ponto de vista emocional, pouco criativa, permeada por um vínculo destrutivo que é alimentado pela dependência emocional. A pessoa se sente refém do relacionamento, isto é aprisionada, com sua auto-percepção, autoestima e capacidade de pensamento crítico abaladas, além de falta de respeito que é observada; sendo que o respeito é tão necessário para a individualidade um do outro. Podemos pensar que uma relação saudável é baseada no respeito, confiança e cumplicidade promove segurança e bem estar, ainda que possam haver problemas; já relação tóxica suscita o contrário, há predominância de um contorno destrutivo, onde o cansaço, a tensão e a insegurança são constantes.

A relação tóxica ocorre entre uma dupla, e um dos envolvidos ativa no outro pontos específicos que são frágeis e muitas vezes desconhecidos e que causam sofrimento. Nesse cenário a relação não progride e a possibilidade de gratificação com trocas mais ricas fica abalada. Sair de uma relação tóxica não é simples, porque existem muitos aspectos inconscientes na dupla. Para conseguir se afastar é importante ter consciência de que está se vivendo dessa forma, se fortalecer emocionalmente, buscar rede de apoio, isto é ajuda familiar, amigos e algumas vezes a necessidade de acompanhamento psicológico. O fortalecimento emocional implica em conhecer suas próprias fragilidades de modo consciente para que possa distinguir as críticas como alguma coisa que é de fato real ou apenas uma projeção dos sentimentos da pessoa que são arremessados.

Esse tipo de relação pode ocorrer em qualquer relação humana, não necessariamente entre namorados ou cônjuges, mas também entre pais e filhos, mãe e filhas, irmãos, colegas de trabalho, entre outros. Esse tipo de relação causa prejuízo emocional e pode gerar uma espécie de vício que aprisiona as pessoas, interfere na autoestima, pode diminuir o rendimento em suas atividades cotidianas porque a pessoa se sente esgotada. A pessoa envolvida em uma relação tóxica pode somatizar, jogando no corpo o que não foi possível ser metabolizado/elaborado na mente. A pessoa envolvida nesse tipo de relação fica tão absorta e invadida que pode perder a noção de quem se é.

A maior dificuldade é ter a percepção de que a relação que se está vivendo não é funcional ou saudável. As pessoas tendem a não perceber e acabam se acomodando no sofrimento.

Algumas dificuldades objetivas que se misturam com as subjetivas ou emocionais, bem como realidade e fantasia, que são observadas e que atrapalham na saída de uma relação tóxica: 1-econômicas: vinculadas a dependência financeira do parceiro (o); 2-Afetivas: vinculadas a dependência emocional do parceiro (a) – medo de se sentir desamparado, receio de se deparar com o desconhecido ao sair da relação, temor em não conseguir refazer a vida amorosa, em caso de relação entre namorados ou cônjuges, medo de perder aquele emprego, em caso de situação relacionada ao trabalho. A pessoa tende a acreditar que o parceiro (a) irá se modificar, ou que ela (e) mesma (o) é capaz de modificá-lo (a). 3-Sociais: a relação tóxica tende a ser experimentada quase que em segredo e tende ao isolamento do casal que se afasta de familiares e amigos. 4-E por fim, questões jurídicas: existe um nó emocional inconsciente na pessoa que vive a relação abusiva que cega a vitima. A pessoa desconhece as questões legais, e não busca ajuda.

Podemos pensar que nem todas as relações são iguais e existem duplas que funcionam muito melhores do que outras, seja no trabalho, nas relações amorosas, entre outras. Já percebeu que algumas pessoas acionam em nós nossa parte melhor, e outras pessoas que acionam em nós a parte pior? Por isso é importante o autoconhecimento, para que se possa saber quem se é. Afinal essa (você mesmo) será com quem irá conviver a vida toda, sem divórcio, então é bom se conhecer bem, para não cair nas armadilhas.

Tudo isso para dizer que ninguém está obrigado a suportar algo que é insuportável, você pode buscar a mudança, mas observe, essa mudança está eiró primem você mesmo.

Modificar o funcionamento mental é algo que exige um alto investimento psíquico e isso só pode ser feito através da própria pessoa que deseja a mudança e com ajuda especializada. Acreditar que pode conseguir mudar o outro é uma grande fantasia onipotente. A pessoa só se modifica se essa mudança for importante e necessária para ela mesma, e não pelo/para o outro; é sempre por desejo próprio.

. Por: Renata Bento, Psicóloga, especialista em criança, adulto, adolescente e famÍlia. Psicanalista, membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro. Perita em Vara de Família e assistente técnica em processos judiciais. Filiada a IPA - Internacional Psychoanalytical Association, a FEPAL - Federación Psicoanalítica de América Latina e a Febrapsi - Federação Brasileira de Psicanálise.

Enviar Imprimir

© Copyright 2006 - 2018 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira