Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

19/12/2014 - 04:23

Reflexos da crise da Petrobras foi tema de debate na Coppe

A Petrobras não pode diminuir o ritmo de suas atividades em função da crise gerada pelos episódios de corrupção na empresa. A estatal não pode ficar estagnada sob o risco de não conseguir cumprir a meta de dobrar a produção de petróleo e de honrar os compromissos assumidos para exploração dos campos do pré-sal. A necessidade de manter as atividades da empresa em um ritmo normal foi uma das principais questões abordadas no debate “A crise da Petrobras”, promovido pela Coppe/UFRJ, na tarde desta quinta-feira, 18 de dezembro. O encontro, que atraiu cerca de 80 pessoas, reuniu professores, pesquisadores, engenheiros, líderes sindicais e estudantes, na sede da Coppe, na Cidade Universitária.

Ao abrir o debate, o Professor Luiz Pinguelli Rosa, diretor da Coppe/UFRJ, manifestou preocupação quanto à diminuição dos investimentos feitos pela Petrobras, por conta das irregularidades ocorridas na empresa. Segundo Pinguelli, as irregularidades cometidas na estatal devem ser investigadas, mas é preciso lembrar que a importância da empresa vai além desses problemas. “A Petrobras não se reduz a esses episódios. Trata-se de é uma grande empresa, que tem toda uma história, e é detentora de uma tecnologia extremamente importante para o Brasil”, afirmou o diretor da Coppe, que destacou também as parcerias tecnológicas entre a Petrobras e as universidades brasileiras.

Coordenador do Laboratório de Tecnologia Submarina (LTS) e ex-diretor de Tecnologia e Inovação da Coppe, o professor Segen Estefen destacou a competência do quadro técnico da Petrobras. “É preciso deixar claro que as denúncias de irregularidades estão relacionadas a uma minoria e que 99% do corpo técnico não têm culpa nenhuma e continuam a trabalhar pela empresa. Aliás, a Petrobras não pode parar nesse momento. Se ela parar em função desse caso, aí sim a empresa estará em crise. O Brasil sofre com corrupção endêmica, mas a Petrobras foi construída com muito trabalho e é preciso de muito trabalho para reverter essa situação”, afirmou Segen Estefen, defendendo a ideia de que é preciso reverter esse cenário de crise. “A Petrobras se apoia em um lado sadio do Brasil, do qual nós (a universidade e os centros de pesquisa) fazemos parte”, concluiu.

Acompanhando de perto a situação da Petrobras, o jornalista George Vidor, colunista de Economia do Jornal O Globo, foi um dos convidados do debate, que reuniu também, além dos professores Luiz Pinguelli Rosa e Segen Estefen, o professor Alexandre Szklo, do Programa de Planejamento Energético da Coppe; o reitor da UFRJ, professor Carlos Levi da Conceição; e o diretor do Parque Tecnológico da UFRJ, Maurício Guedes.

Segundo George Vidor, a diminuição do ritmo das atividades da Petrobras por conta da crise, afeta, sobretudo, a economia do Rio de Janeiro. “O setor de petróleo conta hoje com uma cadeia de 40 mil empresas, entre fornecedores e prestadores de serviço. Desse total, cerca de 40% estão localizadas em território fluminense”, explicou o jornalista, citando as cidades do Rio de Janeiro e de Macaé como grandes polos de concentração.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira