Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

12/12/2013 - 08:20

Vacina inibe roubos de caminhões e enfraquece mercado paralelo

Técnica usada em carros e motos passa a ser saída para diminuição do roubo de caminhões e de cargas. Marcação fica visível e dificulta venda das peças no mercado paralelo.

A vacina para caminhões ganha status de ferramenta para inibição de casos de roubos de veículos comerciais e redução de roubos de carga. Na carona desta tendência, empresas de equipamentos para marcações e de serviços passaram a ter grande potencial de mercado. No ano passado, segundo levantamento da NTC (Associação Nacional de Transportes de Cargas e Logísticas), foi registrado volume recorde de casos de roubos de cargas e veículos. Cenário que encarece o valor do seguro de veículos e fortalece ainda mais a procura por novas alternativas na batalha contra o crime nas estradas.

Para o gerente de codificação permanente da Sunnyvale, Renato Almeida, é evidente o aumento da procura pelos equipamentos, tanto por transportadoras como por empresas que oferecem o serviço de vacinação dos veículos. “Há casos de transportadoras que contam com frota de mais de 500 caminhões. É um número elevado para que se tenha toda a frota no seguro. A vacina inibe o roubo e, caso o veículo seja levado, as chances de retorno do veículo aumentam, já que os criminosos não têm como vender as peças marcadas no mercado paralelo”, revela Renato Almeida, lembrando que é fácil identificar o veículo vacinado e os criminosos sempre vão optar por aquele sem as peças marcadas.

A codificação pode ser feita em todas as peças do caminhão. Também são colocadas etiquetas fluorescentes que ressaltam a peça vacinada. “Hoje temos casos de transportadoras que codificam mais de 100 peças do caminhão. Caso a transportadora não tenha o equipamento para marcação, há empresas que oferecem esse serviço e cobram entre R$ 400 e R$ 500 para codificar uma quantidade significativa de peças”, completa Renato Almeida.

Números – Para se ter ideia do potencial de mercado para empresas fornecedoras de equipamentos e de serviços, dados da NTC mostram que a frota de caminhões no Estado de São Paulo já ultrapassa 530 mil veículos. Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul são as outras três maiores frotas do País com 269 mil veículos, 245 mil veículos e 198 mil veículos, respectivamente.

Outro número importante é o de transportadoras presentes nos estados brasileiros. Mais uma vez o Estado de São Paulo lidera o ranking com 3287 empresas, sendo 1,3 mil apenas na Grande São Paulo. Minas Gerais é o segundo com 313 e Rio de Janeiro é o terceiro com 299.

Perfil - A Sunnyvale atua há 35 anos na comercialização e fabricação de distribuidora de equipamentos para codificação industrial, inspeção de produtos acabados, equipamentos para embalagens, injetoras e robôs de paletização. A empresa representa cerca de 20 marcas de ponta em tecnologia para área de embalagem, como Domino, Saccardo, Bizerba, Foxjet, Sic, Fuji, S+S, Dr. Boy, Trojanlabel e Anritsu, entre outras.

No portfólio estão mais de 90 equipamentos para atender a todas as necessidades dos segmentos que atua, o que coloca a Sunnyvale como uma das líderes em seu segmento. A empresa conta com escritório central em São Paulo, com três mil metros quadrados de área construída, e unidade fabril em Itaquaquecetuba, na região metropolitana da capital paulista, com cerca de 10 mil metros quadrados de área construída.

A Sunnyvale é parceira ativa de projetos, como a Fundação Gol de Letra, que tem como fundadores os ex-jogadores da Seleção Brasileira de Futebol, Raí e Leonardo. A empresa também desenvolve trabalho de recolhimento das embalagens de fluídos utilizados nos equipamentos Ink Jet DOMINO e dos resíduos provenientes dessa utilização. De acordo com a legislação ambiental em vigor, o objetivo é que estes não sejam objetos de poluição ambiental de mananciais e rios, ou tom

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2020 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: