Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT RSS BOLETIM TV FATOR BRASIL LINKS PageRank
Busca: OK
CANAIS

20/04/2012 - 10:35

Congresso Africa Dialogue 2012: Transformando ideias em sucesso econômico

Sun City- Em seu discurso de abertura no 4o Congresso Internacional de Comércio e Investimento (Africa Dialogue), realizado na primeira quinzena de abril, o Presidente Jacob Zuma reiterou o papel desempenhado pela África do Sul no passado, e aquele que continua desempenhando no presente, para o crescimento da África. O Presidente ressaltou as conquistas realizadas na última década e também chamou atenção para o fato de que a África é um continente em crescimento e que oferece um alto retorno sobre os investimentos para a comunidade internacional, além de estar mais bem posicionada atualmente para realizar uma ampla integração regional.

A reviravolta da África é o resultado de profundas mudanças que aconteceram nos últimos dez anos. Essas mudanças incluem maior estabilidade dos governos, paz e democracia; o desenvolvimento de infraestruturas; a elaboração de políticas que permitem a acensão do comércio regional; e a priorização da erradicação da pobreza por parte de todos os governos.

A presidente da Brand South Africa, antigo Instituto de Marketing da África do Sul, Chichi Maponya, disse que esses avanços são sustentados pelos índices de crescimento da última década. "Segundo dados divulgados pelo Fundo Monetário Internacional, o PIB de toda a região cresceu, em média, 5,5% entre 2000 e 2010, ou mais do que o dobro da taxa alcançada pela África durante a década de 80 e 90”.

Maponya acrescentou ainda que o maior problema enfrentado pela África é a desunião dos povos e a descrença nos governos.

"Um número cada vez maior de governos e investidores globais está começando a reconhecer e apreciar o valor de uma sociedade coesa. O processo democrático jamais estará completo enquanto a população continuar ambivalente, descrente e reticente quanto ao potencial do país. Os avanços em infraestrutura e a criação de uma Zona de Livre Comércio são importantes, mas esta questão vai muito além – é preciso, antes de tudo, entender os benefícios destes desenvolvimentos e como eles vão assegurar o progresso de cada indivíduo, pequenas e grandes empresas, setor privado e órgãos públicos da África”, afirma Maponya.

O presidente Zuma também falou sobre o impacto dos golpes militares e a remoção forçada de governos democráticos. Dois terços dos países africanos estão abraçando a democracia, mas fatores como a instabilidade dos governos e questões de segurança e paz afugentam o investimento estrangeiro direto, assim como desencorajam o empreendedorismo. Alcançar a estabilidade no governo, políticas e segurança tem sido a base das políticas que visam ao desenvolvimento da África do Sul. Maponya afirmou que o golpe em Mali no mês passado é o tipo de ocorrência que não deve ser tolerada no continente.

“A África precisa assegurar aos investidores estrangeiros e governos da região mais tranquilidade e confiança. Não conseguiremos criar mercados regionais maiores e sustentáveis se continuarem existindo países sob o comando de regimes militares ou ditadura. Isso compromete os avanços que já alcançamos e os direitos constitucionais de todos os cidadãos do continente”.

Enviar Imprimir
© Copyright 2006 - 2014 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira