Portal Fator Brasil 
Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

27/08/2011 - 13:02

Indústria do monotrilho demandará R$ 3 bilhões em peças e serviços

Empresas têm a chance de colocar conteúdo nacional nesse meio de transporte que está sendo integrado ao sistema de São Paulo e Manaus .

Presidente da Abramon, Halan Moreira, destacou os benefícios desse sistema que é tradicional no Japão (foto: Filipe Scotti)Florianópolis, 26.8.2011 - A presença de conteúdo nacional na fabricação dos monotrilhos que serão instalados em São Paulo e em Manaus pode chegar a R$ 3 bilhões. A cifra representa uma oportunidade para a indústria brasileira ser fornecedora de uma série de componentes que inclui fibras, alumínio, motores elétricos, condutores e softwares, disse o presidente da Associação Brasileira de Monotrilho (Abramon), Halan Moreira, que participou de um seminário na Federação das Indústrias (FIESC), realizado no dia 26 de agosto (sexta-feira), em Florianópolis.

O monotrilho é um sistema de transporte elevado, projetado para atender cidades que têm demanda de 100 mil a 500 mil passageiros por dia. No Brasil, há uma obra iniciada em São Paulo e outra, também na Capital paulista, prevista para começar em 40 dias. Até novembro deve se iniciar a construção da linha para operação do sistema em Manaus. Juntas, as obras das duas cidades somam em torno de R$ 6 bilhões já licitados. Desse total, cerca de 50% serão usados para a produção dos monotrilhos, onde se encontram as oportunidades para a indústria, e o restante será destinado às obras públicas.

As três maiores empresas fabricantes de monotrilho no mundo, sediadas no Canadá, Japão e Malásia, estão se instalando no Brasil para nacionalizar o produto. "Estamos procurando uma cadeia de fornecedores locais. Não faz sentido ter um monotrilho no Brasil e importar peças. O objetivo é que todos os componentes sejam produzidos no país", afirmou o presidente da Abramon.

Durante o encontro, que teve a participação de autoridades e de especialistas em mobilidade urbana, companhias catarinenses, potenciais fornecedoras, participaram de rodadas de negócios para conhecer os produtos que podem ser fornecidos.

Segurança: entre as grandes vantagens desse sistema está a segurança. O Japão utiliza desde a década de 60 e tem oito linhas operando sem nenhum incidente até hoje. Após o terremoto, o monotrilho foi o primeiro sistema que voltou a funcionar. A Malásia implantou há oito anos e já transportou mais de 180 milhões de passageiros sem nenhuma fatalidade. O valor da passagem na Malásia é R$ 0,85, uma tarifa social que cobre os custos de toda a operação do sistema. A China tem quatro linhas em funcionamento.

O Brasil tem semelhanças com países asiáticos que não planejaram seu crescimento e avançaram rapidamente na última década. Malásia e China, por exemplo, optaram por alternativas que atendessem de forma rápida e efetiva a demanda de locomoção dos passageiros. Para Moreira, a implantação do monotrilho é mais eficiente que a do BRT (Bus Rapid Transit), por exemplo, pelo fato de não competir com os carros, pois os monotrilhos operam em estruturas elevadas e não usam as já saturadas vias.

O especialista disse que o Brasil sempre é comparado com os países europeus. No entanto, é preciso lembrar que a Europa planejou o transporte de suas cidades ainda no final de 1880. "O Brasil não foi pensado e preparado do mesmo jeito", disse Halan.

"Qualquer sistema de transporte funciona quando é integrado a uma rede. Nenhum resolve sozinho. Todos têm sua vocação e espaço. O certo é planejar para escolher a demanda ideal para o corredor certo. Escolher modal de forma errada pode ser três vezes mais caro", finalizou Moreira. [www.fiescnet.com.br].

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2020 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira

 Consulta inválida: