Página Inicial
PORTAL MÍDIA KIT BOLETIM TV FATOR BRASIL PageRank
Busca: OK
CANAIS

16/12/2010 - 08:10

Novo poço de Tupi confirma potencial de petróleo leve


A Petrobras comunica que a perfuração do décimo primeiro poço, do total de treze programados, na área de Tupi/Iracema confirmou o potencial de petróleo leve nos reservatórios do pré-sal, em águas ultra-profundas da Bacia de Santos. O novo poço, denominado 3-BRSA-865A-RJS (3-RJS-677A), e informalmente conhecido como Tupi W, foi perfurado a 2.139 metros de profundidade de água, a cerca de 275 km da costa do estado do Rio de Janeiro e a 11 km a noroeste do poço 1-RJS-628A (1-BRSA-369A), descobridor da acumulação de Tupi.

De acordo com nota da Companhia, o poço 3-RJS-677A comprovou, por intermédio de amostragens em teste a cabo, a extensão da acumulação de petróleo leve (cerca de 28 graus API) até o extremo oeste da área do Plano de Avaliação de Tupi, constatando uma espessura de reservatório de cerca de 90 metros, o que aumenta a precisão das estimativas de volume de hidrocarbonetos para a área de Tupi/Iracema. As informações obtidas neste poço e nos demais já perfurados na área confirmam as estimativas do potencial de cinco a oito bilhões de barris de petróleo leve e gás natural recuperável nos reservatórios do pré-sal da área de Tupi. A avaliação final dos volumes das áreas de Tupi e Iracema encontra-se em fase de conclusão e será divulgada quando da Declaração de Comercialidade, prevista para o final de dezembro do corrente ano.

“A produtividade dos reservatórios do pré-sal no poço 3-RJS-677A será avaliada através da realização de testes de formação programados para os próximos meses. Confirmando-se as produtividades esperadas, o consórcio BMS-11 estudará a viabilidade de alocar um FPSO na área oeste de Tupi. O Consórcio, formado pela Petrobras (65% - Operadora), BG Group (25%) e Petrogal Brasil - Galp Energia (10%), para a exploração do bloco BM-S-11, onde fica a área de Tupi/Iracema, dará continuidade às atividades e aos investimentos previstos no Plano de Avaliação aprovado pela ANP até a Declaração de Comercialidade no final de 2010”, conclui a nota.

Enviar Imprimir


© Copyright 2006 - 2021 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Tribeira